Que país tem suas raízes na civilização mais antiga?

Que país tem suas raízes na civilização mais antiga?

Qual país é reconhecido ou documentado como tendo a primeira civilização proeminente? Depois de ler tantos artigos, não pude determinar qual país deveria ser reconhecido como tendo a civilização mais antiga. De acordo com os Puranas da Índia, parece ser o país mais antigo com uma civilização proeminente. No entanto, ao pesquisar no Google, descobri que os egípcios existiam na mesma época que a civilização indiana mais antiga. Alguém pode esclarecer isso?


o Sumérios são amplamente creditados como sendo a primeira civilização genuína na Terra, começando gradualmente por volta do 5º milênio AC e atingindo o status de 'civilização' no início do 4º milênio AC. Cidades e grandes comunidades agrícolas existiam antes dessa época, mas geralmente não são consideradas como constituindo uma civilização. Acredita-se que os sumérios, que estavam situados no baixo Iraque e no Kuwait modernos, tenham inventado a cidade-estado e organizado o governo, a lei, a escrita, a agricultura sistemática, a roda (provavelmente) e a irrigação, entre várias outras inovações iniciais e marcas de civilização.

Embora as datas dos primórdios dessas civilizações não sejam em geral muito bem definidas, a ordem do aparecimento das "civilizações" é freqüentemente considerada a seguinte.

  • Sumério antigo - o mais antigo (primeiras cidades-estado no mundo no 4º milênio aC, escrita cuneiforme, provavelmente o primeiro sistema de escrita "adequado", c. 3.000 aC)

  • Egípcio antigo - amplamente considerado independente na origem (desenvolvimento gradual da civilização ao longo do 4º milênio aC, unificação / início da Primeira Dinastia c. 3150 aC, aparecimento de hieróglifos c. 3.000 aC)

  • Índio antigo (Civilização do Vale do Indo) - amplamente considerada independente na origem (c. 3.300 aC, 'Escrita' do Indo por volta de 3.300 aC, mas pode muito bem ter sido apenas pictogramas para a fase inicial, uma vez que ainda não decifrada, sincretismo com indo-arianos do início do segundo milênio BC)

  • Chinês antigo - amplamente considerado independente na origem (c. 1.900 aC com o período Ertilou e desenvolvimento do estado, início da Idade do Bronze, Oracle Bone Script registrado de cerca de 1.250 aC, mas definitivamente mais antigo, mas ainda pictográfico neste ponto)

  • Grego antigo (Minóico / Micênico) - herdando parcialmente de desenvolvimentos mesopotâmicos e egípcios, mais antigo do que o anterior se você contar os minoicos de Creta (c. 3.000 ou início do terceiro milênio aC, escrita Linear A indecifrada de c. 2.500 aC, Grécia micênica e Linear decifrado Script B de c. 1.600 a.C.)

  • Fenício / Canaanita (área do Líbano) - parcialmente herdada da civilização mesopotâmica e egípcia (registrada pela primeira vez no século 15 aC pelos egípcios, mas cidades-estado provavelmente vários séculos mais antigas)

  • Italiano antigo (Etrusca / romana) - herdada parcialmente dos gregos (etruscos e cidades-estado de c. 900 aC, Roma fundada em c. 753 aC, República em 509 aC, potência dominante do Mediterrâneo no final do século 3 aC e derrota de Cartago)

  • Iraniano antigo (Medeano / Persa) - herdando parcialmente das civilizações Elamita e Mesopotâmica (Império Medo de c. 678 AC, mas com escassos vestígios arqueológicos, Império Aquemênida extremamente influente e historicamente importante de 550 AC)

As fontes para essas datas podem ser encontradas aqui e aqui. Reconheço que sinto falta de algumas civilizações como os elamitas, acadianos, hititas e outros da Anatólia e do Oriente Médio (e, portanto, talvez eu os injustiçasse) - isso dito, normalmente seria considerado como tendo deixado para trás uma cultura cultural muito menos marcada ou impacto histórico em suas respectivas regiões, ou mesmo uma história arqueológica ou documental menor em alguns casos. Os elamitas são talvez os mais merecedores de um lugar na lista acima, e eles datariam de c. 3.000 aC, colocando-os em '4º lugar'. Eu acredito que é discutível o quanto eles foram influenciados pela Suméria.

Observe também que estou restringindo esta resposta às civilizações do Velho Mundo, uma vez que, embora a civilização Norte Chico da América do Sul possa ser considerada muito cedo, ela não carrega algumas das marcas do que normalmente consideramos - com ou sem razão - um 'genuíno' civilização (por exemplo, um sistema de escrita maduro, a roda).


Depois de contendores como os sumérios e os egípcios, existe outro mundo proibido que foi arruinado por causa do terremoto ou pode ser uma invasão estrangeira (alguns estimam isso). Aqui estou falando sobre a Civilização do Vale do Indo, que remonta a sua raiz desde 3300 - 1300 a.C. e foi a mais avançada entre todos os assentamentos antigos da época.

- Artesanato - Em Metalurgia - Urbanismo - Ótimos sistemas de esgoto e drenagem - Paredes de tijolos cozidos

A civilização era estranha para nós, mas veio a ser conhecida depois que britishers (colonos) descobriram as ruínas e aglomerados da cidade enterrados sob a terra.

A civilização foi baseada na terra que é o moderno punjab do Paquistão. O Harrappa e Mohenjadaro foram as principais cidades da época.

Para obter mais informações, siga este link: http://en.wikipedia.org/wiki/Indus_Valley_Civilization

Fontes: www.wikipedia.com/ indus valley civilization www.google.com / search engine

{Desculpa por imagens maiores que o tamanho}


Se você usar o termo civilização com conotações de cultura, então as primeiras peças de arte foram encontradas na África do Sul há mais de 60.000 anos. Em um sentido ainda mais amplo, os macacos são agora conhecidos por possuir cultura, ensinando truques tecnológicos a seus irmãos e recém-chegados em seu grupo.


Os antigos sumérios foram os primeiros a inventar um alfabeto, e o fizeram muito antes dos egípcios. Eles deram início à revolução "agrícola", que deu início à revolução "urbana" e à domesticação dos animais.

Eles deram ao mundo a primeira "religião" que se tornou um modelo para todas as civilizações que se seguiram na história humana. Considere o fato de que o tema da "guerra entre os deuses" foi incorporado pelos três grandes monopólios monoteístas de nosso planeta. Judaísmo, Cristianismo e Islã. Em seguida, considere o fato de que um cidadão da Mesopotâmia, chamado Abraão, (e seus filhos) começou tudo.


Sobre o Blue Ridge para o Território Cherokee

A Asheville de hoje apresenta uma arquitetura Art Déco deslumbrante, o som de tambores no Asheville & aposs & # xA0Pritchard Park em uma noite de sexta-feira e os cheiros de sabores internacionais quando você passa por uma miríade de restaurantes locais. Mas & # xA0pare e pondere sobre isso: a área tem suas raízes no Cherokee, & # xA0 uma civilização sagrada e antiga que remonta a 11.000 anos. & # XA0Sua casa é um dos lugares mais antigos da Terra, os Montes Apalaches, formados entre 400 e 600 milhões de anos atrás. & # XA0

O Cherokee

Conhecidos como Ani-Yvwiya, ou & quotReal People & quot, seus descendentes continuam a prosperar na fronteira de Qualla (reserva Cherokee) como Eastern Band of Cherokee, a apenas 51 milhas do centro de Asheville em Cherokee, NC.

A história Cherokee é um rico conto de uma tribo orgulhosa que ocupava uma área de aproximadamente 140.000 milhas quadradas. & # XA0Seus ancestrais & # xA0prosperaram como fazendeiros e caçadores e tinham uma profunda reverência pela natureza. & # XA0Hoje, cerca de 9.000 membros do Oriente Bando de índios Cherokee permanecem zeladores de suas terras que & # xA0agora perfazem 57.000 acres na entrada do Parque Nacional das Grandes Montanhas Fumegantes, América & # x2019s parque mais visitado. & # XA0

Entrando no Cherokee & # x2013 O Território Amigo da Família

Sem definir uma máquina do tempo há um milênio atrás, uma viagem a Cherokee, NC é a maneira mais próxima de experimentar esta nação soberana como era & # xA0 então e como é hoje. & # XA0

Oconaluftee Indian Village é uma réplica autêntica dos anos 1760 & # x2019s da vida Cherokee. & # XA0 Interaja com os aldeões enquanto eles descascam canoas, fabricam cerâmica e máscaras, tecem cestas e praticam cerimônias de medicina tradicional. Visite por conta própria ou faça uma visita guiada (maio & # x2013 início de novembro).

Para compreender a complexa história da Nação Cherokee, dê prioridade a uma visita ao Museu dos Cherokee. & # xA0Exposições de alta tecnologia exploram os 11.000 anos de evolução do Cherokee. & # xA0

Do outro lado da rua está Qualla Arts and Crafts, os melhores exemplos de artesanato tradicional Cherokee, incluindo cestas, esculturas em madeira, bonecas, itens com miçangas, máscaras e cerâmica. Conheça os mestres artesãos, desde os mais velhos até a terceira geração, e leve um pedaço da história feita à mão para casa com você.

À medida que o crepúsculo se aproxima, vá até o Mountainside Theatre para assistir ao segundo drama ao ar livre mais antigo dos Estados Unidos, Para estas colinas. & # XA0Atores nativos talentosos são adornados com trajes tradicionais espetaculares e executam danças e canções cerimoniais, enquanto reencenam os períodos mais profundos de sua história. O drama se passa em meio a cenários ornamentados completos com neblina, fogo e efeitos de som surround estrondosos. E tudo isso acontece sob as estrelas deslumbrantes do verão das Montanhas Smoky & # xA0 (1 de maio & # x2013 meados de outubro).

Coisas para saber antes de ir

Planeje um dia inteiro, prepare um lanche / bebidas e encha o tanque de gasolina. Em um dia claro, reserve um tempo e viaje pela Blue Ridge Parkway de Asheville a Cherokee & # x2013 cerca de três horas de carro de uma beleza deslumbrante. Algumas ótimas paradas são: Looking Glass Rock Overlook Milepost (MP) 417, Devils Courthouse (MP 422.4 & # x2013 extenuante & # xBD caminhada de milhas para 360 visualizações) e Waterrock Knob (MP 451.2 vistas de quatro estados, trilhas fáceis). Na viagem de volta, reduza o tempo de viagem para uma hora, pegando a U.S. 441 em Cherokee para a US 19 e para o leste na I-40 para Asheville.

Se você & # xA0crave atividades ao ar livre, a área Cherokee é um playground para pesca, caminhadas, canoagem, tudo na porta da frente & # xA0do Parque Nacional das Grandes Montanhas Fumegantes.

Favoritos locais & # x2019s: & # xA0Granny & # x2019s Kitchen e Sassy Sunflowers Bakery & amp Caf & # xE9.


História

A Arábia Saudita tem suas raízes nas primeiras civilizações da Península Arábica. Ao longo dos séculos, a península desempenhou um papel importante na história como um antigo centro comercial e como o local de nascimento do Islã. Desde que o rei Abdulaziz Al Saud estabeleceu o moderno Reino da Arábia Saudita em 1932, sua transformação tem sido surpreendente. Em poucas décadas, a Arábia Saudita deixou de ser uma nação deserta e se tornou um estado moderno e sofisticado e um ator importante no cenário internacional.

Um antigo centro comercial

Localizada entre os dois grandes centros de civilização, o Vale do Rio Nilo e a Mesopotâmia, a Península Arábica era a encruzilhada do mundo antigo. O comércio foi crucial para o desenvolvimento das rotas das caravanas que se tornaram artérias de comércio que tornaram a vida possível na península escassamente povoada. O povo da península desenvolveu uma complexa rede de rotas comerciais para transportar produtos agrícolas muito procurados na Mesopotâmia, no Vale do Nilo e na Bacia do Mediterrâneo. Esses itens incluíam amêndoas de Taif, datas de muitos oásis, e aromáticos como olíbano e mirra da planície de Tihama. As especiarias também eram itens comerciais importantes. Eles foram enviados através do Mar da Arábia da Índia e depois transportados por caravanas. As enormes caravanas viajaram do que hoje é Omã e Iêmen, ao longo das grandes rotas comerciais que passam pela província de Asir da Arábia Saudita e depois por Meca e Medina, chegando eventualmente aos centros urbanos do norte e oeste.

O império islâmico

Menos de 100 anos após o nascimento do Islã, o Império Islâmico se estendeu da Espanha a partes da Índia e China. Além disso, um grande número de peregrinos começou a visitar regularmente a península, com alguns se estabelecendo nas duas cidades sagradas de Meca e Medina. Esses peregrinos facilitaram o intercâmbio de idéias e culturas entre os povos da península e outras civilizações do mundo árabe e muçulmano. O surgimento do árabe como língua de aprendizagem internacional foi outro fator importante no desenvolvimento cultural da Península Arábica. O mundo muçulmano se tornou um centro de aprendizado e avanços científicos durante o que é conhecido como a "Idade de Ouro". Acadêmicos muçulmanos fizeram contribuições importantes em muitos campos, incluindo medicina, biologia, filosofia, astronomia, artes e literatura.


O que aconteceu com a igreja mais antiga do mundo?

O que é triste em usar a Igreja Dura-Europos como um exemplo para as igrejas de hoje é que essa igreja não existe.

Seu prédio, que já foi evidência de uma congregação vibrante e crescente, está em ruínas e só foi descoberto por persistentes arqueólogos e historiadores que estavam dispostos a cavar através de várias camadas de terra para encontrar esta estrutura antiga.

Alguém poderia pensar que as igrejas locais individuais que foram estabelecidas e baseadas em princípios bíblicos, como as cinco características da Igreja Dura-Europos descritas acima, durariam e floresceriam até a volta de Cristo. Mas essa igreja local não existe mais.

A história registra que a cidade de Dura-Europos, localizada então acima da margem direita do rio Eufrates, foi capturada pelo Império Sassânida após um cerco em 256-257 DC, e sua população foi deportada. Depois disso, a cidade foi abandonada e acabou coberta por areia e lama.

Existem várias razões pelas quais uma igreja local individual pode perder sua vitalidade e relevância. Neste caso, a cultura mudou completamente devido a uma derrubada violenta por um poderoso vizinho inimigo. A cidade, assim como o prédio da igreja dentro dela, desapareceram de vista.


GRANDES CIVILIZAÇÕES DA ÁFRICA

Acima: Henry Louis Gates Jr. explora o Mercado Dantokpa, um dos maiores da cidade de Cotonou, localizado no Benin, nação da África Ocidental.

Contada a partir de uma perspectiva africana, a série explora como a civilização humana remonta ao continente africano

Esta série está disponível para transmissão sob demanda com o KPBS Passport.

AFRICA'S GREAT CIVILIZATIONS é uma série de documentários de três partes com seis horas de duração, apresentada, produção executiva e escrita por Henry Louis Gates Jr. O professor Gates viaja por toda a África para narrar a história do continente de uma perspectiva firmemente africana.

Sua jornada o leva da cidade do Grande Zimbábue às pirâmides do Reino de Kush no Sudão, das espetaculares igrejas escavadas na rocha de Lalibela, na Etiópia, à universidade mais antiga do continente em Fez, das Cavernas de Blombos na África do Sul ao antigo Mali , o império do rei Mansa Musa, ainda considerado a pessoa mais rica que já viveu.

Nesta série, Gates narra uma jornada de 200.000 anos de descoberta, mostrando a complexidade, grandeza e diversidade de muitos milênios de detalhes não discutidos e desconhecidos sobre a história dramática e convincente da África.

Gates apresenta - pela primeira vez para um público popular - uma nova visão não só do lugar central da África na história mundial, mas também da relação do mundo com a África.

África & # 39s Grandes Civilizações | trailer oficial

Em sua série de seis horas, AFRICA'S GREAT CIVILIZATIONS, Henry Louis Gates, Jr. explora a história da África, desde o nascimento da humanidade até o início do século 20. Esta é uma viagem pessoal de tirar o fôlego através de duzentos mil anos de história, desde as origens, no continente africano, da arte, da escrita e da própria civilização ao longo dos milênios.

As contribuições da África para o desenvolvimento da arte e da linguagem pela comunidade humana, da escrita e da religião, da agricultura e do governo, as artes e as ciências são comumente mal compreendidas ou mesmo ignoradas.

Esta série histórica apresenta uma narrativa nova e abrangente sobre a África e a história dos extraordinários diversos povos de seu continente, do Mar Mediterrâneo ao Cabo da Boa Esperança, do Mar Vermelho e rio Nilo, e do Oceano Índico ao o Atlantico.

A série fervilha com entrevistas emocionantes com os principais historiadores, escritores criativos, historiadores da arte, paleoantropólogos, geneticistas e curadores de museus, incluindo o autor nigeriano ganhador do Prêmio Nobel Wole Soyinka Paleoantropologista queniano Dr. Richard Leakey historiadores John Thornton e Linda Heywood da Universidade de Boston Christopher Ehret de O acadêmico ganense da UCLA Emmanuel Akyeampong, da Universidade de Harvard, e a historiadora de arte Cécile Fromont, junto com muitos outros.

Cidade de Ile Ife | Grandes Civilizações da África e # 39

A história de origem de Ile Ife está no cerne da cultura Yoruba. Após a morte, os Onis foram adorados como deuses, e as obras de arte chamadas Ife Heads foram provavelmente usadas como ícones de poder.

CITAÇÃO DO FABRICANTE:

“A África é o lar ancestral da comunidade humana e de muitas das inovações fundamentais na história da civilização, mas o continente continua a ser estereotipado como uma região isolada e subdesenvolvida na mente de forasteiros, desprovida de quaisquer conquistas históricas profundas,” diz Gates.

“Esta série dissipará esses mitos e outras imprecisões sobre a África por meio de um exame detalhado e fascinante de eventos históricos significativos, como a ascensão de seus poderosos reinos, o crescimento de extensas redes de comércio com o Oriente Médio, Europa e China, tecnologia e descobertas artísticas e a resiliência de seus povos em face dos angustiantes traumas do passado. Fizemos esta série para acabar com essa ignorância sobre o passado africano, para revelar como os africanos não apenas moldaram a história de seu continente, mas também com que profundidade e extensão a África moldou os contornos de nosso mundo moderno. ”

Entrevista com Henry Louis Gates, Jr.

Em sua série de seis horas, AFRICA'S GREAT CIVILIZATIONS, Henry Louis Gates, Jr. dá um novo olhar sobre a história da África, desde o nascimento da humanidade até o início do século 20.

GUIA DE EPISÓDIOS:

Episódio: “Origins” se repete quarta-feira, 3 de fevereiro às 23h. e domingo, 28 de fevereiro às 9h30 na KPBS TV - Viagem com o professor Henry Louis Gates, Jr. ao Quênia, Egito e além, enquanto ele descobre as origens do homem, a formação das primeiras sociedades humanas e a criação de realizações culturais e científicas significativas no continente africano.

Afro Combs | Grandes Civilizações da África e # 39

Você sabia que os pentes afro eram usados ​​nas antigas civilizações africanas? Os fossos funerários no Vale do Nilo têm sido a fonte de artefatos raros e únicos, que datam de mais de 6.000 anos.

Episódio: “The Cross And The Crescent” se repete após o episódio 1 na quarta-feira, 3 de fevereiro à meia-noite e na quarta-feira, 10 de fevereiro às 23h. e domingo, 28 de fevereiro às 10h30 na KPBS TV - Gates traça a ascensão ancestral do Cristianismo e do Islã, cuja influência econômica e cultural se estendeu do Egito à Etiópia. Aprenda sobre figuras religiosas africanas como o rei Lalibela, um santo etíope, e Menelik, portador da Arca da Aliança.

Cidade de Meroe | Grandes Civilizações da África e # 39

Em meados do século IV, os exércitos Axumitas abriram caminho para o interior ao longo do Vale do Nilo, invadindo novos territórios e rumando para a Grande Cidade de Meroe, a terceira e última capital do Antigo Reino de Kush.

Episódio: "The Atlantic Age" se repete quarta-feira, 17 de fevereiro às 23h. e domingo, 28 de fevereiro às 11h45 na KPBS TV - Gates explora o impacto do mundo do comércio atlântico, dando origem a novos reinos poderosos, mas também ao comércio transatlântico de escravos. Aprenda sobre os movimentos revolucionários do século 18 e início do século 19, incluindo o advento do califado Sokoto.

A cidade de M & # 39banza-Kongo | Grandes Civilizações da África e # 39

O Reino do Congo era um dos maiores e mais poderosos da metade sul da África. No coração da capital em M'banza-Kongo estão as ruínas de um edifício construído em meados do século XVI. É um dos vestígios arquitetônicos mais importantes da história do cristianismo da África Subsaariana.

Episódio: "Commerce and the Clash of Civilizations" se repete após o episódio 5 na quarta-feira, 17 de fevereiro à meia-noite e no domingo, 28 de fevereiro às 11h45 na KPBS TV - Gates explora o dinamismo da África do século 19, a "Scramble" pelas potências europeias por suas riquezas e a posição desafiadora e bem-sucedida da Etiópia não colonizada.

A Costa Swahili | Grandes Civilizações da África e # 39

Por mais de mil anos, os mercadores africanos se reuniram na costa suaíli, antes conhecida como Azania, para trocar suas mercadorias com outros mercadores da Europa, da Pérsia, da Arábia e até mesmo no extremo leste da China.

Episódio: "Cidades" se repete quarta-feira, 24 de fevereiro às 23h. e domingo, 28 de fevereiro às 13h00 na KPBS TV - Gates explora o poder das maiores cidades antigas da África, incluindo Kilwa, Grande Zimbábue e Benin City, cuja riqueza, arte e sucessos industriais atraíram novos interesses europeus e interação ao longo das costas leste e oeste do continente.

A cidade do grande zimbabué | Grandes Civilizações da África e # 39

O Grande Recinto do Grande Zimbábue é a maior estrutura pré-colonial de toda a África Subsaariana. Foi uma declaração de majestade, poder, riqueza e gênio arquitetônico.

Episódio: “Empires Of Gold” TBA - Henry Louis Gates, Jr. descobre as redes de comércio complexas e instituições educacionais avançadas que transformaram o início do norte e oeste da África de terras desertas em reinos e epicentros de aprendizagem mais ricos do continente.

Cidade de Timbuktu | Grandes Civilizações da África e # 39

O coração da vida intelectual de Timbuktu eram suas bibliotecas. Entre os séculos XIV e XVII, adquiriram centenas de milhares de livros, em sua maioria escritos por autores africanos em atividade na cidade.

ASSISTIR NO SEU CRONOGRAMA:

Aumente sua janela de visualização com o KPBS Passport, streaming de vídeo para membros que apoiam KPBS por US $ 60 ou mais anualmente, usando seu computador, smartphone, tablet, Roku, AppleTV, Amazon Fire ou Chromecast. Aprenda como ativar seu benefício agora.

Com o PBS Video App, você pode transmitir seus programas de estação favoritos e locais. Baixe gratuitamente no seu dispositivo favorito. O aplicativo permite que você acompanhe os episódios recentes e descubra programas premiados.

A série também está disponível no iTunes e Amazon.

Você pode comprar o DVD da série em shoppbs.org. Todas as vendas suportam a programação PBS!

PARTICIPE DA CONVERSA:

Henry Louis Gates, Jr. está no Facebook, Instagram, e você pode seguir @HenryLouisGates no Twitter. #AfricasCivilizationsPBS

A série é produzida pela Inkwell Films, McGee Media, Kunhardt Films e WETA Washington, D.C., a principal emissora pública na capital do país, em associação com a Nutopia. Escrito por Henry Louis Gates, Jr. Produzido e dirigido por Virginia Quinn e Mark Bates.

PODCAST EM DESTAQUE

Notícias de San Diego quando você quiser, onde quiser. Obtenha histórias locais sobre política, educação, saúde, meio ambiente, fronteira e muito mais. Novos episódios estão prontos nas manhãs dos dias de semana. Apresentado por Anica Colbert e produzido pela KPBS, San Diego e pelas estações NPR e PBS de Imperial County.


A nova destilaria de toras ainda tem suas raízes no começo do Bourbon e do # 8217s

Uma destilaria totalmente nova em breve entrará em operação, mas o Log Still terá um pedigree que vai desde o próprio bourbon. E no comando desse empreendimento está JW Dant, um nome que você pode reconhecer como uma marca com o mesmo nome que ainda é vendido hoje, por Heaven Hill.

A história do Log Still realmente começou em 1836, quando JW Dant fez um still de um tronco de álamo escavado, iniciando o legado de sua família no negócio de bourbon de Kentucky.

E enquanto várias gerações de Dants seguiram os passos de JW, a família havia saído completamente do negócio de bourbon ... até agora, quando o tataraneto de JW, Wally Dant, veio para reviver o legado da família.

Wally, anteriormente um empresário da área de saúde, mudou de marcha para mergulhar com força total no negócio de bourbon para honrar o legado de seu antepassado. E quando ele abre a nova destilaria, surge um investimento multimilionário, o projeto trazendo 70 ou mais empregos para o país do bourbon.

“Temos uma família muito grande & # 8230 na verdade, sete gerações de famílias grandes & # 8230 então, mais primos do que podemos contar”, disse Wally em uma entrevista conosco. "E, desde que me lembro, sempre que nos reuníamos, nossa família falava sobre o quanto todos desejávamos ainda estar no negócio de bourbon."

Wally teve um interesse comercial em bebidas alcoólicas por um tempo e, na verdade, era dono de uma empresa de distribuição por atacado no Tennessee. “Um dia, um dos meus clientes, que por acaso era um destilador de bourbon de Kentucky, disse:‘ Wally, você tem uma história incrível e genuína para contar. Você deveria pensar em fazer isso. 'Isso foi em 2017, e foi quando a semente foi plantada. Eu criei a marca Log Still Distillery um ano depois e procurei meus talentosos primos Lynne e Charles e os convidei para se juntarem a mim neste empreendimento. ”

Os Dants estão olhando para a cultura americana do bourbon, neste momento da história, e isso contribui para o desenvolvimento de “atrações locais e amenidades” para a nova destilaria Log Still.

“Bourbon é o único destilado nativo americano e é muito gratificante ver sua popularidade crescendo, especialmente sabendo que nossa família desempenhou um papel importante em trazer o bourbon ao mundo”, disse Wally. “Portanto, olhamos para trás em nossa história com orgulho, mas nosso verdadeiro foco é olhar para frente e criar um produto e um destino & # 8230 que chamamos de Dant Crossing & # 8230 onde as pessoas querem trazer suas famílias e depois trazê-las de volta. Queremos criar um ótimo bourbon e ótimas lembranças de família para nossos hóspedes ”.

Wally e seus colegas Dants ofereceram seus chapéus à Kentucky Distillers Association, à Câmara de Comércio de Bardstown e a todas as outras organizações que ajudaram a tornar sua parte do Kentucky um verdadeiro destino turístico.

A nova destilaria Log Still em construção (imagem via Log Still)

“Acredito que a trilha do bourbon e suas destilarias próximas ajudaram a captar o interesse de um grande público e certamente elevaram a demanda por bourbon a outro nível”, disse Charles Dant. “Nossa esperança é criar um lugar para os visitantes que desejam uma experiência autêntica. Você sempre pode criar uma marca, mas sete gerações de história da família na fabricação de bourbon é algo que apenas alguns de nós podem reivindicar. ”

Falando sobre a história da família, Lynne Dant disse que há receitas e outras instruções do JW Dant original que influenciam os negócios da Log Still.

Seu avô era Will Dant, que era o presidente e destilador-chefe da Dant & amp Head Distillery, que operava na mesma propriedade na década de 1930 onde a Log Still agora opera.

“Vovô mantinha diários detalhados de seus próprios planos de destilação, e nesses ele se referia aos mash bill originais criados por Joseph Washington Dant, que fez nossa família começar no negócio de bourbon usando aquele tronco oco como destilaria”, disse Lynne.

Seu avô também tinha vários de seus próprios mashbills, alguns foram julgados e outros não ... ainda. “Eu tenho seus diários antigos, graças ao meu pai, que os manteve. Os Dants eram conhecidos por um bourbon premium de ‘high centeio’, e esse é o nosso ponto de partida. E, assim como os Dants vêm fazendo há anos, planejamos experimentar e brincar com várias receitas. Estaremos enraizados em nossa história, mas ainda estaremos explorando e nos divertindo enquanto avançamos. ”

E isso é uma boa notícia para os amantes do bourbon. Log Still terá duas marcas principais, Monk’s Road e Rattle & amp Snap.

Monk’s Road é a marca de bourbon que homenageia as receitas dos antepassados ​​de Dant. O perfil de sabor inclui baunilha, noz-moscada, centeio e especiarias exclusivas que, segundo Lynne, são sinônimos da família Dant há quase 200 anos.

“Este produto está envelhecendo em barris em Kentucky neste momento, e mal podemos esperar para compartilhá-lo com o mundo. Nesse ínterim, temos o prazer de dizer que os gins secos e em barril de Monk’s Road estarão disponíveis em um futuro muito próximo ”, acrescentou Lynne.

Eles estão lançando o primeiro bourbon em sua Série de Destilaria Perdida da Monk’s Road em breve. Com esta série, eles estão homenageando as destilarias da era pré-proibição com uma oferta limitada de destilados selecionados manualmente.

O primeiro é um lançamento limitado da destilaria Cold Spring. Cold Spring foi fundada do outro lado da rua da destilaria hoje por J.B. Dant, um filho de Joseph Washington Dant, na década de 1870.

Lynne explicou que Rattle & amp Snap é a marca onde “ficamos um pouco mais aventureiros com nossos perfis de sabores. Também temos uma linha de deliciosos uísques Tennessee lançando este ano. ”

Os produtos da destilaria Log Still estarão disponíveis para os hóspedes assim que abrirem sua mini-sala de degustação e destilaria na destilaria de Gethsemane, Kentucky, no início de março.


História da comédia stand-up

Comédia em Pé teve seu início na década de 1840 com o formato de show de variedades de três atos de menestréis (por meio de performances de blackface do personagem Jim Crow) Frederick Douglass criticou esses programas por lucrar e perpetuar o racismo. [1] [2] Monologistas de menestréis realizavam monólogos de segundo ato e fala de cotovelo em shows de menestréis até 1896, embora traços dessas performances racistas continuassem a ser usados ​​até meados de 1900. [3] [4] A comédia stand-up também tem raízes em várias tradições de entretenimento popular do final do século 19, incluindo vaudeville (por meio de shows de menestréis, museus baratos, salões de concertos, shows de aberrações, shows de variedades, Ringling Bros. e Barnum & amp Bailey Circus), burlesco americano (por meio da feminização do show de menestréis por Lydia Thompson, salões de concertos, salas de música inglesas e palhaçadas de circo) e monólogos humoristas como aqueles proferidos por Mark Twain em seu primeiro show itinerante (1866), Nossos Companheiros Selvagens das Ilhas Sandwich. [5] [6] [7] [8] Não adulterado, vaudeville monologista os tempos de execução foram de 10-15 minutos. [9] [10]

Jardins de recreio tinham "quartos" ao ar livre com temas. [11] Enquanto os jardins do prazer apresentavam shows de menestréis e burlescos, a era de Vaudeville americano pode ser rastreada até 1836, em um jardim de lazer chamado Niblo's Garden, mas o termo Vaudeville não estava em uso verbal regular até a década de 1840 e não costumava aparecer por escrito até a década de 1890. [12] [13] Com a virada do século XX e a disseminação da vida urbana e industrial, a estrutura, o ritmo, o ritmo e o material do humor americano começaram a mudar. [14] [15] Os comediantes dessa época muitas vezes dependiam de piadas rápidas, pastelões, insinuações ultrajantes ou obscenas e vestiam uma personalidade étnica - africana, escocesa, alemã, judia - e construíam uma rotina baseada em estereótipos populares. [16] Durante as eras stand-up do menestrel, vaudeville e burlesco, as piadas eram geralmente consideradas de domínio público e o material humorístico era amplamente compartilhado, apropriado e roubado. [17] O público americano industrializado buscava o entretenimento como uma forma de escapar e confrontar a vida na cidade. Um precursor do stand-up, a era de Burlesco americano começou na década de 1860 e funcionou sem censura até 1937, quando o termo burlesco não podia mais ser legalmente usado no burlesco de Nova York histórias em quadrinhos usaram estereótipos e humor dialógico sexualmente sugestivo para atrair homens heterossexuais. [8] [18] [19] A rotina burlesca Who's on First? was made famous by Abbott and Costello.

The founders of modern American stand-up comedy include Moms Mabley, Jack Benny, Bob Hope, George Burns, Fred Allen, Milton Berle and Frank Fay, all of whom came from vaudeville or the Chitlin' Circuit. [20] [21] They spoke directly to the audience as themselves, in front of the curtain, known as performing "in one". Frank Fay gained acclaim as a "master of ceremonies" at New York's Palace Theater. Vaudevillian Charlie Case (also spelled Charley Case) is often credited with the first form of stand-up comedy, performing humorous monologues without props or costumes. This had not been done before during a vaudeville show.

The 1940s-50s elevated the careers of comedians like Milton Berle and Sid Caesar through radio and television. [22] From the 1930s-50s, the nightclub circuit was owned and operated by the American Mafia. [23] [24] Nightclubs and resorts became the breeding ground for a new type of comedian: a stand-up, specifically Lenny Bruce. [25] [26] Acts such as Alan King, Danny Thomas, Martin and Lewis, Don Rickles, Joan Rivers and Jack E. Leonard flourished in these venues.

In the 1950s and into the 1960s, "new wave" [27] stand-ups such as Mort Sahl and Lord Buckley began developing their acts in small folk clubs like San Francisco's hungry i (owned by impresario Enrico Banducci and origin of the ubiquitous "brick wall" behind comedians) [28] or New York's Bitter End. [29] [30] [31] These comedians added an element of social satire and expanded both the language and boundaries of stand-up, venturing into politics, race relations, and sexual humor. Lenny Bruce became known as 'the' obscene comic when he used language that usually led to his arrest. [32] After Lenny Bruce, arrests for obscene language on stage nearly disappeared until George Carlin was arrested on 21 July 1972 at Milwaukee's Summerfest after performing the routine "Seven Words You Can Never Say on Television" [33] Carlin's act was ruled indecent but not obscene, and the Supreme Court granted the FCC permission to censor in a 5-4 ruling from FCC v. Pacifica Foundation.

Other notable comics from this era include Woody Allen, Shelley Berman, Phyllis Diller, and Bob Newhart. Some Black American comedians such as George Kirby, Bill Cosby, Flip Wilson, Godfrey Cambridge, and Dick Gregory began exploring the criticism of "history and myth" in the 1950s-60s, with Redd Foxx testing the boundaries of "uncensored racial humor". [34]

In the 1970s, several entertainers became major stars based on stand-up comedy performances. Richard Pryor and George Carlin followed Lenny Bruce's acerbic style to become icons. Stand-up expanded from clubs, resorts, and coffee houses into major concerts in sports arenas and amphitheaters. Steve Martin and Andy Kaufman were the most popular practitioners of anti-comedy from the 1970s into the 1980s. [35] The older style of stand-up comedy (no social satire) was kept alive by Rodney Dangerfield and Buddy Hackett, who enjoyed revived careers late in life. Don Rickles, whose legendary style of relentless merciless attacks on both fellow performers and audience members alike kept him a fixture on TV and in Vegas from the 1960s all the way to the 2000s, when he appeared in the wildly popular Pixar Toy Story films as Mr Potato Head, whom Rickles gave his grouchy onstage mannerisms. Television programs such as Saturday Night Live e The Tonight Show helped publicize the careers of other stand-up comedians, including Janeane Garofalo, Bill Maher and Jay Leno.

In the 1980s, Eddie Murphy shaped African American comedy when he created the Black Pack: similar to the Rat Pack, it was a group of stand-up comedians, its members included Paul Mooney, who wrote for Richard Pryor and later starred on Chappelle's Show. [36] [37] [38] [39]

From the 1970s to the '90s, different styles of comedy began to emerge, from the madcap stylings of Robin Williams, to the odd observations of Jerry Seinfeld and Ellen DeGeneres, the ironic musings of Steven Wright, to the mimicry of Whoopi Goldberg, and Eddie Murphy. These comedians would serve to influence the next generation of comedians.

After the height of the 80s stand-up comedy boom, there was a 90s comedy bust. [40]

The Aristocrats is a 2005 film based on the original vaudeville joke The Aristocrats, where comedians tell their version of the dirty joke. [41]

Official recognition of present-day stand-up comedians comes from the Mark Twain Prize for American Humor, the New York Friars Club roasts, and The Andy Kaufman Award. [42]

Early twentieth-century front-cloth comics started in music halls, paving the way for stand-up comedy in Great Britain. [43] [44] [45] Notable front-cloth comics who rose through the variety theatre circuit were Morecambe and Wise, Arthur Askey, Ken Dodd and Max Miller. [46] [43] Until 1968, the heavy censorship regime of the Lord Chamberlain's Office required all comedians to submit their acts for censorship. The act would be returned with unacceptable sections underlined in blue pencil (possibly giving rise to the term "blue" for a comedian whose act is considered bawdy or smutty). The comedian was then obliged not to deviate from the act in its edited form. [47]

The rise of the post-war comedians coincided with the rise of television and radio, and the traditional music hall circuit suffered greatly as a result. [ citação necessária ] By the 1970s, music hall entertainment was virtually dead. Alternative circuits had evolved, such as working men's clubs. [47] Some of the more successful comedians on the working men's club circuit—including Bernard Manning, Bobby Thompson, Frank Carson and Stan Boardman—eventually made their way to television via such shows as The Wheeltappers and Shunters Social Club. The "alternative" comedy scene also began to evolve. Some of the earliest successes came from folk clubs, where performers such as Billy Connolly, Mike Harding and Jasper Carrott started as relatively straight musical acts whose between-song banter developed into complete comedy routines. The 1960s had also seen the satire boom, including the creation of the club, the Establishment, which, amongst other things, gave British audiences their first taste of extreme American stand-up comedy from Lenny Bruce. [48] Victoria Wood launched her stand-up career in the early 1980s, which included observational conversation mixed with comedy songs. Wood was to become one of the country's most successful comedians, in 2001 selling out the Royal Albert Hall for 15 nights in a row. [ citação necessária ]

In 1979, the first American-style stand-up comedy club, the Comedy Store was opened in London by Peter Rosengard, where many alternative comedy stars of the 1980s, such as Dawn French and Jennifer Saunders, Alexei Sayle, Craig Ferguson, Rik Mayall and Ade Edmondson began their careers. [49] The stand-up comedy circuit rapidly expanded from London across the UK. The present British stand-up comedy circuit arose from the 'alternative' comedy revolution of the 1980s, with political and observational humor being the prominent styles to flourish. In 1983, young drama teacher Maria Kempinska created Jongleurs Comedy Clubs before it closed in 2017. Stand-up comedy is believed to have been performed originally as a one-man show. Lately, this type of show started to involve a group of young comedians, especially in Europe. [ citação necessária ]

In terms of live comedy in Mexico, the predecessors of this comic style are:

    are a comic duo who were predecessors of a style consisting of parodies and double senses with creativity (1957-2008) Originally from Juan Aldama, Zacatecas. He dropped out of architecture at the Universidad del Valle de México to take theater classes at the "Dimitrio Sarrás Actors Studio" for three years.
  • Mara Escalante, is an actress, comedian and Mexican singer. She is known for the television series María de Todos los Ángeles, in which she has two characters, including the protagonist. She began her career in the mid-1990s. (1944-), whose routines are characterized by a high content of sexual references, with a touch of misogyny, relayed as a personal anecdote. (1961-) was one of the first to transport the genre to Mexico from his nocturnal program, using the comic monologue. (Evelio Arias Ramos, 1966-2008).

The new generation of comedians decided to use their own lives as the theme of their comedy, imitating the American style:

    , son of Mexican comedian Héctor Suárez, is currently the host of the Latin American version of the comedy program Stand Up Comedy Central Presents, broadcast by Comedy Central from 2011 until 2014. since 2013 leads the program called STANDparados broadcast by Comedy District before Classic TV.
  • Kikis, (1980) comedian since late 2011, openly lesbian, has participated in Comedy Central Latin America as well as with Adal Ramones in STANDparados Comedy District.
  • Luiki Wiki (1985-) began making comedy in January 2013 in Mexico City and later moved to Monterrey NL to start the first Open Mic in Monterrey (an event in which comedians can participate to try out new material with a real audience) together with other comedians of the genre. Later they created the first collective of comedy in Monterrey called For Laughter Standup Comedy. Luiki Wiki has participated in programs such as Es de Noche and I already arrived with René Franco and as with Adal Ramones in the 3rd season of the STANDparados program aired by Comedy District. (1981-) Comedian, musician, radio announcer and founder of "La Diablo Squad". He is mainly known for his comedy shows, has performed throughout the Mexican Republic and Latin America, even starting his own "World Tour", arriving to have confirmed performances in Europe and the United States, including trips to Japan and Australia. Currently known as the largest representative of stand-up comedy in this country.
  • Hugo "El Cojo Felíz" (1988-), is a comedian, radio announcer, part of the devil Squad, has the radio program "La Hora Felíz" with the "Uncle Rober" and is considered the best pen in Mexico.
  • Roberto Andrade Cerón the "Uncle Rober" (1979-) is a comedian, writer, radio announcer and has "La Cojo Feliz" the radio program "La Hora Felíz".
  • Daniel Sosa
  • Alex Fernandez
  • Sofía Niño de Rivera
  • Mauricio Nieto

The one-man-show genre, which is similar, but allows other approaches (enacting characters, songs and scenes) was introduced in Brazil by José Vasconcellos in the 60's. Taking a step closer to the North American format, Chico Anysio and Jô Soares maintained the format - specially in their live nation-wide talks shows, and generally, in the opening monologues - bringing to Brazil a genre more similar to what is currently known as Stand-up. [50]

Stand-up began to be interesting news in 2005 in São Paulo, when the first club was created, called Clube de Comédia Stand-Up: composed of Marcelo Mansfield, Rafinha Bastos, Oscar Filho, Marcela Leal and Márcio Ribeiro. In São Paulo the comedy club would present in Beverly Hills, the traditional comedy venue in Moema. Shortly afterwards it migrated to Mr. Blues and Bleeker Street, in Vila Madalena. No Rio de Janeiro, Comédia em Pé, (Comedy Standing Up): composed of Cláudio Torres Gonzaga, Fábio Porchat, Fernando Caruso and Paulo Carvalho, had its debue at the venue Rio Design Leblon. These were the first stand-up performances in the country.

In 2006, the comic Jô Soares watched Clube de Comédia in São Paulo and invited the comic Diogo Portugal for an interview in his talk show. That was a definitive moment to call attention towards the genre. He mentioned many different shows that he was a part of and attracted the public attention and media coverage to the bars that held these presentations. In Curitiba, with this momentum, many other stand-up nights began opening up. In São Paulo, Danilo Gentili, that had just become a part of Clube da Comédia, invited Mário Ribeiro and gathered other young comics that were frequent spectators at the club, to create Comédia Ao Vivo (Live Comedy): composed of Dani Calabresa, Luiz França, Fábio Rabin. [51] [52]

With the show CQC - Custe o Que Custar, on TV Bandeirantes, a nation-wide TV outlet, in 2008, the genre took gained its permanent spot on the national stage. With big names like Danilo Gentili, Rafinha Bastos and Oscar Filho, the curiosity grew exponentially. [53]

Following CQC's example many channels and TV shows on Brazil's national television invested in Stand-up comedy. After this many other groups gained recognition in the clubs and live performances around the two biggest cities of Brazil.

Although the antecedents of this genre can be traced back to the monologues of Miguel Gila in the 1950s, the rise of live comedy in Spain took a long time in comparison with the American continent. The first generalized relationship with this comic genre occurred in 1999 with the creation of the Paramount Comedy channel, which included the New Comics program as one of its flagship programs, where monologuists such as Ángel Martín, José Juan Vaquero, David Broncano, and Joaquín Reyes stood out.

Also, in 1999 began the journey of the program The club of comedy, an open adaptation of the popular comic format. In its first stage (1999-2005), it underwent several chain changes and released comedians like Luis Piedrahita, Alexis Valdes or Goyo Jiménez. In its new stage, starting in 2011 in La Sexta and presented by Eva Hache, it tries to start in the genre of comic monologue media characters from different artistic fields such as: Imanol Arias, José Luis Gil, Isabel Ordaz and Santiago Segura.

Special mention deserves the Buenafuente program, started in 2005. The presenter, Andreu Buenafuente, made an initial monologue of about 9 to 11 minutes where he links current issues with everyday humorous situations. This became the most famous part of the program and made him one of the most recognized comedians in Spain, for his connection with the public and his ability to improvise.

On the other hand, the comedian Ignatius Farray became one of the most representative icons of this genre today.

Modern stand-up comedy in India is a young art form, however Chakyar koothu was prominent in Trivandrum and southern Kerala during the 16th and 17th centuries. It had all the attributes of modern stand-up comedy and is widely considered to be the oldest known staged comedy act anywhere in the world. [ citação necessária ]

Even though the history of live comedy performances in India traces its early roots back to 1980s, for a long time stand-up comedians were only given supporting/filler acts in various performances (dance or music). [ citação necessária ]

In 1986, India's Johnny Lever performed in a charity show called "Hope 86", in front of the whole Hindi film industry as a filler and was loved by audience. His talent was recognized, and he would later be described as "the iconic comedian of his generation". [54] [55]

It was not until 2005, when the TV show The Great Indian Laughter Challenge garnered huge popularity and stand-up comedy in itself started getting recognised. Thus, a lot more comedians became popular and started performing various live and TV shows. The demand for comedy content continues to increase. Some popular comedians around 2005-2008 include Raju Srivastav, Kapil Sharma and Sunil Pal. Most of them performed their acts in Hindi.

Raju Srivastav first appeared on the comedy talent show The Great Indian Laughter Challenge. He finished as second runner-up and then took part in the spin-off, The Great Indian Laughter Challenge — Champions, in which he won the title of "The King of Comedy". [56] Srivastava was a participant on season 3 of Bigg Boss. He has participated in the comedy show Comedy Ka Maha Muqabla. [57]

Kapil Sharma is ranked no. 3 at the most admired Indian personality list by The Economic Times in 2015. [58] Currently he is hosting the most popular Indian comedy show "The Kapil Sharma Show" after "Comedy Nights with Kapil". [59] Sharma had been working in the comedy show Hasde Hasande Raho on MH One, until he got his first break in The Great Indian Laughter Challenge, one of the nine reality television shows he has won. He became the winner of the show in 2007 for which he won 10 lakhs as prize money. [59]

Sharma participated in Sony Entertainment Television's Comedy Circus. [60] He became the winner of all six seasons of "Comedy Circus" he participated in. [61] He has hosted dance reality show Jhalak Dikhhla Jaa Season 6 [62] and also hosted comedy show Chhote Miyan. [63] [64] Sharma also participated in the show Ustaadon Ka Ustaad.

Around 2008-2009, two other popular comedians Papa CJ and Vir Das returned to India and started making their marks on Indian comedy scene. Both of them were exposed to UK and US comedy routines and they performed mostly in English. At the same time, a few more youngsters got inspired and started taking plunge into stand-up comedy.

Since 2011, the stand-up comedy has been getting substantial appreciation. [ citação necessária ] The Comedy Store from London opened an outlet in Mumbai's Palladium Mall where people would regularly enjoy comedians from UK. The Comedy Story also supported local comedians and helped them grow. This outlet eventually become Canvas Laugh Club in Mumbai.

Around 2011, people started organizing different comedy open mic events in Mumbai, Delhi (and Gurgaon), Bangalore. All of this happened in association with growth of a counterculture in Indian cities which catered to the appetite of younger generations for live events for comedy, poetry, storytelling, and music. Various stand-up events were covered by popular news channels such NDTV / Aajtak etc. and were appreciated by millions of viewers.

As a result of these developments, plus the increasing penetration of YouTube (along with Internet/World Wide Web), Indian stand-up comedy started reaching further masses. While the established comedians such as Vir Das, Papa CJ were independently growing through various corporate / international performances, other comedians such as Vipul Goyal, Biswa Kalyan Rath, Kenny Sebastian, Kanan Gill, Kunal Kamra grew popular through YouTube videos.

The industry, still in its early stages, now sees a lot more influx of aspiring comedians as it transforms the ecosystem around it.


Ten fun facts about Asia

Fact 1
Asia has the second largest nominal GDP of all continents, after Europe, but the largest when measured in PPP.

Fact 2
Asia has the most populous continent, with approximately 4 billion people (or 60% of the world’s current human population)

Fact 3
The largest economies in Asia are China, Japan, India, South Korea and Indonesia.

Fact 4
Most Asian countries have more than one language that is natively spoken.

Fact 5
It is the world’s largest continent and is traditionally defined as part of the landmass of Eurasia—with the western portion of Eurasia occupied by Europe. Asia occupies the eastern part of the Eurasian landmass and the adjacent islands, and is separated from Europe by the Ural Mountains.

Fact 6
Eastern philosophy and religion also play a major role in Asian culture, with Hinduism, Taoism, Confucianism, Buddhism, Christianity and Islam all represented.

Fact 7
Colonization in Asia traces its roots back to the late 15th century with a series of voyages that sought a sea passage to India in the hope of establishing direct trade between Europe and Asia in spices.

Fact 8
It covers 8.7% of the Earth's total surface area and comprises 30% of its land area.

Fact 9
Asia was originally a concept of Greek civilization.

Fact 10
Bengali polymath Rabindranath Tagore was awarded the Nobel Prize for Literature in 1913, and became Asia's first Nobel laureate.


List of Greek Inventions

The Olympic Games

Olympic games are more than just a mere discovery, they are a global phenomenon. The Olympic games host participants of more than 165 countries around the world. The first record of the Olympics being played was on the big and wide plains of Olympia in ancient Greece in 776 B.C. These games were played in honor of their prime Greek God Zeus and it featured events such as running and wrestling. These games lasted for an entire day, then in 472 B.C. new games were added and the event was extended to five days. Olympics today have drawn a lot of inspiration from this rich heritage. This remains one of the most popular inventions by the Greek people used today.

Money

The concept of money is considered as one of the greatest discoveries in the history of mankind. Even before the barter services were introduced in ancient India, a part of ancient Greek people known as the Lydians were using circular metal pieces, the ancient Greek coins for trade which credits the Greeks with the discovery of money.

Research has shown that maps in the western literature were first produced in 6200 B.C. The first Greek scholar to invent a geographical map was Anaximander (610-546 BC) and the concept of longitude and latitude was introduced by a Greek geographer called Dikaiarch (350-290 BC). Maps are one of the most ancient Greek inventions that are used today.

Thermometer

Historians claim that ancient Greeks of Alexandria knew that when air is heated it expands and Philo of Byzantium who was alive when Christ was born invented the thermoscope which had a similar concept like Galileo’s air thermometer but it was Galileo who put the scale besides the tube and converted the device into a scientific instrument which distinguishes between temperature and heat.

Steam Engine

Heron, also known as hero, an ancient Greek engineer who lived during the first century AD invented the steam engine. He made it as a toy and named it “aeolipile”. The steam was generated in a pot filled with water which was covered and placed on fire the pot was connected with two tubes which collected the steam and allowed it to collect into a ball of metal. The metallic ball had two outlets from where the steam was released. As the steam passed through these tubes the metal ball rotated. In 1698, taking inspiration from Heron’s steam engine, Thomas Savery built it once again.

Mathematics

“The square of the hypotenuse of a right-angled triangle is equal to the sum of the squares of the other two sides” this is the world-famous Pythagoras theorem proposed by the Greek philosopher and mathematician Pythagoras (582-500 BC). This theorem was a major benchmark in the fields of mathematics, geometry and astronomy. Pythagoras’s teacher, mathematician Thales discovered the first mathematical deductions and developed the science of irrational numbers and axiomatic theory. The first book ever written on geometry was written by a Greek mathematician Euclid in 300 B.C.

Hippocratic Oath

Greek physician Hippocrates (460-377 BC), also known as the father of modern medicine, wrote the world-famous “Hippocratic Oath”. This oath prohibited doctors from performing abortions and unnecessary surgeries and stops them from having any sexual relations with their patients. According to the oath any private information divulged to the doctors should be secretive. This oath was a compulsion to all doctors till 1948 until the World Medical Association banned it and produced a new restatement called the ‘Declaration of Geneva’.

Medicina

George Papanicolaou (1883-1962), a Greek American doctor first detected cervical cancer in 1943 by a gynecological procedure known as the Pap Smear test which was named after him.

Theater and Music

The ancient Greeks developed theater to portray qualities such as patriotism, respect to their holy Gods, equality and hospitality thus instilling these values in their children. This became a ritual in 6 B.C. when they started performing in groups to educate people. Thespsis (a performer) while performing with the group broke away and started performing solo thus giving birth to solo performances. Ancient Greeks were ardent followers of art. In 468 B.C. a writer, called Sophocles created the greatest masterpiece of tragedy in Greek history Odepius Rex. Ancient Greeks had a special place for music in their lives. They invented musical instruments such as Pan Pipes which laid the foundations of the invention of the modern flute. Greece’s greatest music composer Michael Theodorakis has won global acclaim with his masterpieces like Epiphania and Zorba.

Archimedes Screw

The Greek born mathematician Archimedes (287-212 B.C.) invented an ingenious water pump which is globally known as the Archimedes Screw. It consists of a tube looped around a rod, set at an angle with the bottom end in water. It had a handle at the top. When the handle is rotated, the entire device turns up and water is collected in the tube, which is transported upwards. Archimedes also invented levers in around 260 B.C. Many of our basic instruments like tongs, nutcracker and scissors are based on his principles.

Astronomy

The Greeks also made valuable contributions to the field of astronomy. They developed astrolabe, an instrument used to decide the position of the sun and the stars in the sky. It was first used in 200 BC by astronomers in Greece.

Umbrella

The Greeks used wood or big bones of animals to protect themselves from the sun or rain. Later they started using big leaves thus laying the basis of inventing an umbrella. Finally in 1852 Samuel Fox an English inventor invented steel umbrella which we use today.

Alarm Clock

Yes, it was the ancient Greeks that came up with the idea of an alarm clock. The alarm clock was created in 200 BC by Ctesibius (285 to 222 BC). The traditional alarm clock was made with a dial and a pointer for the time and it had an alarm system that would drop pebbles into a gong at a pre-set time.


Which country traces its roots back to the oldest civilization? - História

Teribe Indigenous Cultural Association TÉRRABA

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

Images from a handmade history book tell the story of the Térraba culture

OVERVIEW

The Térraba are a warrior people that trace its roots back to the pre-Colombian Chiriquí civilization that dominated Costa Rica. When the Spanish Conquistadors arrived in the early 1500s, they found Costa Rica to be a harsh country with few resources to exploit. In comparison to other pre-colonial civilizations, there were few indigenous to use for labor.

The Spanish brought Catholicism and smallpox, and many tribes were not able to survive both. Despite Spanish influence, the Térraba can trace their history back to specific events as early as the 1600s. The Térraba were able to maintain their culture, traditions and language in spite of the Spanish occupation and Catholic influence. They have recorded an extensive oral history to preserve it for future generations.

The Chiriquí civilization dates back 10,000 years with evidence of caves, rock shelters, and stationary camps that correspond with hunter-gatherer groups. The social and cultural development started then and was at its peak in 600 A.D. until the arrival of the Spaniards at the beginning of the 16th century.

The government has amended and reduced their rights – or ignored them entirely – in the years since implementing the indigenous laws. The Diquís Hydroelectric Project and the trouble in the education system represent the ongoing struggles the Térraba have for rights guaranteed by law.

LINHA DO TEMPO

The Térraba participated with the indigenous groups Ateos, Viceitas and Cabecares in the rebellion that destroyed Santiago of Salamanca.

Missionaries led by Fray Pablo de Rebullida and the Spanish military moved part of the Térraba population to the southwestern region of Costa Rica, near Boruca and the Térraba River. The town, San Francisco de Térraba, was founded in 1689. Its name was later shortened to Térraba.

The northern Indians attacked San Francisco de Térraba, burning it, killing the men and capturing the women, a day after an attack on Cabagra, another local indigenous group. After the massacre, Térraba only had 300 people left.

1845-1848

After a church was burned, the Catholic priests decided that reducing the territory would conserve and protect the population. Within several years Pauline priests arrived to take over the Térraba community, but brought smallpox. The epidemic decimated the population.

1956-1977

Legislation to establish and protect the indigenous territories gave the Térraba the inalienable right to their traditional land, the use of their resources and some autonomy in self-governance.

1970s

Costa Rica began promoting clearing forests to convert them to agricultural and pastoral lands. Much of the Térraba’s forest was lost.

The Térraba lost the right to own the minerals beneath the soil on their own land, under a new mining law.

Costa Rica recognized indigenous languages in its constitution.

Indigenous communities began protesting against the Diquís Hydroelectric Project, which was then known as the Boruca Hydroelectric Project.

The title to the territory was amended and reduced without asking the Térraba, fragmenting the territory into blocks.

Diquís project workers moved to the region and started work without consulting the Térraba community.

On Oct. 6, more than 150 Térraba and others marched along the inter-American highway to demand respect for their right to participate in decisions involving their lands. They marched all the way to the town of Buenos Aires, more than 8 miles (13 kilometers) from Térraba territory. ICE employees filmed and shouted at them in Buenos Aires, causing a confrontation that required police intervention.

The Costa Rican Electricity Institute (Instituto Costaricense de Electricidad – ICE) removed their equipment and suspended work in Térraba territory.

After feeling that they still weren’t being heard, the Térraba occupied the local school to demand change. The Térraba wanted the right to influence how the students are taught about the culture, and how the language is taught in the schoo


Assista o vídeo: O ELO PERDIDO DA HUMANIDADE - DOCUMENTÁRIO COMPLETO