20 de março de 1942

20 de março de 1942

20 de março de 1942

Março de 1942

1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
> Abril

Birmânia

Tropas britânicas se retiraram do Tharrawaddy



HISTÓRIA DO HOLOCAUSTO & # 8211 TEMPO

& # 8211 Os nazistas montaram o primeiro campo de concentração em Dachau. Os primeiros internos são 200 comunistas.

& # 8211 Livros com idéias consideradas perigosas para as crenças nazistas são queimados.

    Hitler combina os cargos de chanceler e presidente para se tornar & # 8216Fuhrer & # 8217 ou líder da Alemanha. & # 8217

& # 8211 Jornais judeus não podem mais ser vendidos nas ruas.

    Os judeus são privados de sua cidadania e de outros direitos básicos.

& # 8211 Os nazistas intensificam a perseguição a políticos que não concordam com sua filosofia.

    Nazistas boicotam negócios de propriedade de judeus.

& # 8211 Os Jogos Olímpicos são realizados na Alemanha, os sinais que impedem os judeus são removidos até que o evento termine.

& # 8211 Os judeus não têm mais o direito de votar.

    As tropas alemãs anexaram a Áustria.

& # 8211 Na Kristallnacht, a & # 8216Night of Broken Glass, & # 8217 os nazistas aterrorizaram judeus por toda a Alemanha e Áustria & # 8211 30.000 judeus são presos.

& # 8211 Os judeus devem portar carteiras de identidade e os passaportes judeus são marcados com um & # 8220J. & # 8221

& # 8211 Os judeus não dirigem mais negócios, vão a peças de teatro, concertos, etc.

todas as crianças judias são transferidas para escolas judaicas.

& # 8211 Os negócios judeus são fechados, eles devem vender negócios e entregar títulos e joias.

& # 8211 Os judeus devem entregar carteiras de motoristas & # 8217s e registros de carros.

& # 8211 Os judeus devem estar em determinados lugares em determinados momentos.

    A Alemanha assume o controle da Tchecoslováquia e invade a Polônia.

& # 8211 A Segunda Guerra Mundial começa quando a Grã-Bretanha e a França declaram guerra à Alemanha.

& # 8211 Hitler ordena que os judeus sigam toques de recolher. Os judeus devem dirigir o rádio para a polícia. Os judeus devem usar estrelas amarelas de Davi.

    Os nazistas começam a deportar judeus alemães para a Polônia.

& # 8211 Judeus são forçados a guetos.

& # 8211 Nazistas iniciam o primeiro assassinato em massa de judeus na Polônia.

- Os judeus são colocados em campos de concentração.

    A Alemanha ataca a União Soviética.

& # 8211 Judeus em toda a Europa Ocidental são forçados a guetos.

-Os judeus não podem sair de casa sem autorização da polícia.

- Os judeus não podem mais usar telefones públicos.

    Funcionários nazistas discutem a & # 8216 Solução Final & # 8217 & # 8211 seu plano para matar todos os judeus europeus & # 8211 para os funcionários do governo.

- Os judeus estão proibidos de: assinar jornais, manter cães, gatos, pássaros, etc, manter equipamentos elétricos incluindo máquinas de escrever, próprias bicicletas, comprar carne, ovos ou transporte público de uso moderado frequentar a escola.

    Fevereiro: Cerca de 80 a 85 por cento dos judeus que morreriam no Holocausto já foram assassinados.
    Hitler assume o controle da Hungria e começa a deportar 12.000 judeus húngaros todos os dias para Auschwitz, onde são assassinados.

    Hitler é derrotado e a Segunda Guerra Mundial termina na Europa.

& # 8211 O Holocausto acabou e os campos de extermínio estão vazios.

& # 8211 Muitos sobreviventes são colocados em instalações para pessoas deslocadas.

    Um Tribunal Militar Internacional (assembleia judicial) é criado pela Grã-Bretanha, França, Estados Unidos e União Soviética.

& # 8211 Em Nuremburg, os líderes nazistas são julgados por crimes de guerra pela Assembleia Judicial acima.


Setenta e cinco anos atrás, a única banda feminina totalmente negra dos militares lutou contra o Departamento de Guerra e venceu

Uma multidão estimada de 100.000 pessoas obstruiu os cruzamentos no distrito comercial central de Chicago e # 8217 em maio de 1945 para um comício de títulos de guerra, um dos vários que marcaram a movimentação do Departamento de Guerra naquela semana. A polícia parou o trânsito nos quarteirões que se aproximavam do palco nas ruas State e Madison, e os repórteres notaram vendedores e clientes pendurados nas vitrines para ter um vislumbre de quaisquer artistas famosos ou heróis de guerra que pudessem chegar.

Ex-prisioneiros de guerra apareceram no palco, e os famosos hasteadores da bandeira de Iwo Jima empurraram títulos de guerra para financiar a guerra no Pacífico enquanto uma banda militar de 28 membros tocava música patriótica. Esse grupo, as mulheres da 404ª banda das Forças de Serviço Armadas (ASF), foi a única banda feminina totalmente negra na história militar dos EUA.

Durante a guerra, bandos militares compostos apenas por mulheres reuniram corações & # 8212 e levantaram milhões em títulos de guerra. Os músicos figuravam entre as primeiras mulheres do Exército, uma distinção que os marcou como pioneiros para alguns e prostitutas para outros. Cada empresa suportou preconceitos sociais, mas apenas uma, a 404ª, também teve que lutar contra o estigma racial. Setenta e cinco anos atrás neste ano, os 28 músicos forçaram o Departamento de Guerra & # 8217s a entregar uma vitória pelos direitos civis.

Em maio de 1941, citando a necessidade de militares, a congressista de Massachusetts Edith Rogers apresentou um projeto de lei que permitiria às mulheres ingressar no Exército em um papel de não-combatentes, mas com a mesma posição e status que os homens. Embora o Corpo de Enfermeiras do Exército tenha existido como uma organização militar uniformizada & # 8220 & # 8221 desde 1901, os militares não davam às mulheres salários, posições ou benefícios iguais. A legislação de Rogers & # 8217 foi projetada para amenizar essa disparidade.

O general George Marshall, chefe do Estado-Maior do Exército, incentivou Rogers a alterar o projeto de lei. A princípio se opôs às mulheres nas forças armadas, ele reconheceu a necessidade de pessoal adicional em caso de emergência, e em 7 de dezembro de 1941, um deles chegou com o bombardeio de Pearl Harbor. & # 8220É importante que, o mais rápido possível, tenhamos uma política nacional declarada neste assunto & # 8221 ele escreveu posteriormente em uma declaração ao Congresso. & # 8220As mulheres certamente devem ser empregadas no esforço geral desta nação. & # 8221

Poucos meses depois, em 15 de maio de 1942, o presidente Franklin Delano Roosevelt assinou o H.R. 6293, estabelecendo o Corpo do Exército Auxiliar Feminino (WAAC), mas não deu às mulheres o esperado status militar. Em troca de seus serviços não-combatentes & # 8220essenciais & # 8221 & # 8212administrativos, clericais e habilidades culinárias, entre outros & # 8212, até 150.000 mulheres receberiam pagamento, alimentação, alojamento e assistência médica, mas não seguro de vida, cobertura médica, benefícios por morte , ou a proteção do prisioneiro de guerra coberta por acordos internacionais.

Mais de 30.000 mulheres se inscreveram para a primeira turma de treinamento de oficiais WAAC com 440 candidatos. Para se qualificar, as mulheres deveriam ter entre 21 e 45 anos, fortes notas de aptidão, boas referências e experiência profissional qualificada. Mães e esposas eram bem-vindas, assim como os afro-americanos.

Por décadas, o N.A.A.C.P. havia defendido a integração dos militares. Durante a Primeira Guerra Mundial, unidades segregadas de soldados negros serviram principalmente em funções não combatentes no Exército e, como o único ramo do serviço armado a admitir afro-americanos no início da Segunda Guerra Mundial, o Exército insistia na segregação. & # 8220O Exército argumentou [à NAACP] que não poderia empreender um programa para uma mudança social tão importante enquanto estivesse no meio de uma guerra & # 8221 escreve a historiadora militar Bettie J. Morden em The Women & # 8217s Army Corps, 1945-1948.

O Exército disse ao N.A.A.C.P. que 10,6 por cento dos oficiais WAAC e mulheres alistadas seriam negros (a porcentagem aproximada de afro-americanos na população dos EUA na época). Mesmo que as mulheres em serviço tivessem segregado habitação, clubes de serviço e treinamento básico, o Exército disse que as mulheres negras serviriam & # 8220 nas mesmas especialidades ocupacionais militares que as mulheres brancas. & # 8221 Mary McLeod Bethune, fundadora do Conselho Nacional para Mulheres Negras e boa amiga da primeira-dama Eleanor Roosevelt, recrutou mulheres negras junto com a NAACP com a mensagem de que o serviço militar era uma forma de servir ao país e promover a luta pela igualdade.

Em 20 de julho de 1942, o primeiro grupo de candidatos a oficiais & # 8212 brancos e negros & # 8212 chegou a Fort Des Moines, Iowa, casa do primeiro Centro de Treinamento WAAC e Escola de Candidatos a Oficiais.

Selecionado por sua localização geográfica no centro do país, Fort Des Moines teve importância na história militar afro-americana um antigo posto de cavalaria, que hospedou soldados de infantaria negros em 1903 e, em 1917, realizou o primeiro treinamento de oficial para homens negros.

Em algum lugar da Inglaterra, o major Charity Adams Earley e o capitão Abbie N. Campbell inspecionam os primeiros membros afro-americanos do Women's Army Corps designados para o serviço no exterior. (Arquivos Nacionais, 6888th Central Postal Directory Bn. 15 de fevereiro de 1945. Holt. 111-SC-200791)

Charity Adams Earley, que se tornaria uma das duas únicas mulheres afro-americanas a ocupar o posto de major durante a Segunda Guerra Mundial, foi uma das mulheres que passou pelo Fort Des Moines & # 8217 portões de pedra em 20 de julho & # 8212 um abafado e chuvoso meio do verão & # 8217s dia. As instalações, estábulos renovados, ainda cheiravam a animais. Lama cobria o terreno e, enquanto caminhavam entre os prédios de tijolos vermelhos, as mulheres se misturavam. Em suas memórias One Woman & # 8217s Army, Earley descreveu a camaradagem que havia surgido no caminho para Iowa:

& # 8220 Aqueles de nós que viajamos de Fort Hayes [Ohio] juntos tínhamos um certo sentimento de proximidade porque tínhamos começado nossa aventura juntos: raça, cor, idade, finanças, classe social, tudo isso tinha sido deixado de lado em nosso viagem para Fort Des Moines. & # 8221

Ela logo ficaria desiludida. Após a primeira refeição dos candidatos, eles marcharam para uma área de recepção, onde um jovem segundo-tenente ruivo apontou para um lado da sala e ordenou: & # 8220 Todas as garotas negras irão para este lado? & # 8221

O grupo ficou em silêncio. Então, os oficiais chamaram as mulheres brancas pelo nome para seus aposentos. & # 8220Por que as & # 8216 meninas coloridas & # 8217 não podiam ser chamadas pelo nome para ir para seus aposentos em vez de serem isoladas pela raça? & # 8221 Earley perguntou a si mesma.

Após protestos de Bethune e de outros líderes de direitos civis, a escola de candidatos a oficiais foi integrada para mulheres e homens em 1942, servindo como o primeiro experimento de integração do Exército. Bethune viajou frequentemente entre os centros de treinamento de mulheres & # 8217s & # 8211 para Fort Des Moines primeiro e depois para quatro outras localidades WAAC que foram inauguradas no sul e no leste dos Estados Unidos. Ela visitou as propriedades, falou com oficiais e mulheres em serviço, e compartilhou as preocupações de discriminação com Walter White, secretário executivo do N.A.A.C.P., e com a própria Roosevelt.

Um problema imediato era a colocação no emprego. Após a formatura no treinamento básico, as mulheres alistadas deveriam receber atribuições nas áreas de panificação, escritório, direção ou medicina. Mas os empregos não abriram tão rapidamente quanto poderiam e Fort Des Moines ficou superlotado. Grande parte do problema era a atitude dos soldados e oficiais comandantes que não queriam ceder cargos às mulheres, e o problema foi ampliado para os oficiais negros.

Em & # 8220Blacks in the Women & # 8217s Army Corps during World War II: The Experiences of Two Companies & # 8221, a historiadora militar Martha S. Putney escreve que a então major Harriet M. West, a primeira mulher negra a alcançar o posto de major no corpo de mulheres do tempo de guerra & # 8217s, visitou postos & # 8220 para ver se conseguia persuadir os comandantes de campo a solicitar unidades negras. & # 8221 A maioria dos homens, ela descobriu, & # 8220 falava apenas sobre unidades de lavanderia & # 8212 empregos que não estavam na guerra Listas autorizadas do departamento & # 8217s para [WAACs.] & # 8221

A historiadora Sandra Bolzenius argumenta em Glória em seu espírito: como quatro mulheres negras entraram no exército durante a segunda guerra mundial que o Exército nunca pretendeu utilizar totalmente os serviços negros. & # 8220 Enquanto o [WAAC] afirmava oferecer oportunidades a todos os recrutas, & # 8221 ela escreve, & # 8220 seus líderes se concentraram naqueles que se encaixam no protótipo branco de classe média de respeitabilidade feminina. & # 8221 N.A.A.C.P. as correspondências de 1942-1945 estão cheias de cartas de empregadas negras frustradas com histórias de terem sido preteridas por oportunidades dadas aos brancos.

Em julho de 1943, a filial de Chicago do N.A.A.C.P. White telegrafou sobre as reclamações que recebeu. & # 8220Embora muitos dos funcionários negros tenham concluído todo o treinamento obrigatório semanas atrás, eles são mantidos em Des Moines sem fazer quase nada. Por outro lado, o pessoal branco é enviado imediatamente após a conclusão do treinamento necessário. & # 8221

White encaminhou a reclamação para Oveta Culp Hobby, o chefe nomeado dos WAACs, de 37 anos, que como sulista e esposa de um ex-governador do Texas, estava longe de ser a escolha preferencial do N.A.A.C.P. & # 8217s para o cargo. Ela respondeu na semana seguinte: & # 8220Negro WAACs estão sendo enviados para trabalhos de campo tão rápido quanto suas habilidades e treinamento correspondem aos empregos a serem preenchidos. & # 8221

Histórias de movimento estagnado afetaram o recrutamento de mulheres negras e brancas & # 8212, assim como uma campanha de difamação rotulando as WAACs de prostitutas organizadas. Depois de investigar as fontes de histórias difamatórias, a Inteligência Militar do Exército identificou a maioria dos autores como militares do sexo masculino que temiam WAACs ou & # 8220 tiveram problemas para obter datas & # 8221

As mulheres que haviam começado as tarefas militares se destacavam em seu trabalho, e o Exército precisava de mais WAACs treinados em apoio médico. Para aumentar o recrutamento e resolver problemas administrativos, em 1º de julho de 1943, FDR assinou uma legislação que transformou o Corpo do Exército Auxiliar Feminino no Corpo do Exército Feminino (WAC), dando às mulheres status e posição militar.


Em 1944, o então Maj. Charity Adams se tornou a supervisora ​​de treinamento afro-americana em Fort Des Moines. Uma de suas partes favoritas do trabalho era nutrir a primeira e única banda feminina negra dos militares.


& # 8220A sociedade em geral não & # 8217não entende o valor da banda militar para homens e mulheres na guerra & # 8221 diz Jill Sullivan, historiadora de bandas militares da Arizona State University, que afirma que bandas militares unem comunidades, servem como entretenimento , e reagrupar o moral e o patriotismo. Fort Des Moines fundou a primeira banda militar feminina em 1942 para substituir uma banda masculina reatribuída, mas também, diz Sullivan, para honrar a tradição militar durante a guerra.

& # 8220O que [o Departamento de Guerra] descobriu foi que as mulheres eram uma novidade & # 8221 diz Sullivan. A primeira banda WAC (oficialmente 400th Army Service Forces Band) se tornou um sucesso instantâneo e um & # 8220 espetáculo para mulheres WAC. & # 8221 Além de dar concertos locais, a 400th ASF Band toda branca viajou pela América do Norte em guerra dirige, compartilhando palcos com Bob Hope, Bing Crosby e o ator / oficial Ronald Reagan. Quando o segundo centro WAAC foi inaugurado em Daytona Beach, Flórida, músicos de Fort Des Moines foram transferidos para lá para formar outra banda, a 401st. Três outras bandas WAAC se formariam mais tarde.

Repetidamente, oficiais negros encorajavam mulheres negras a fazer um teste para a popular banda WAC em Fort Des Moines. & # 8220Independentemente de sua experiência, & # 8221 Earley lembrou em One Woman & # 8217s Army, ”

Cartas de vários músicos culpam um homem pela discriminação: o comandante do forte coronel Frank McCoskrie.

& # 8220Colonel McCoskrie, & # 8221 escreveu Rachel Mitchell, uma trompista, & # 8220 disse que as duas raças nunca se misturariam enquanto ele estivesse no cargo. & # 8221

Quando Adams percebeu que nenhuma mulher negra seria permitida na banda branca, ela pressionou para que as mulheres tivessem a sua própria. No outono de 1943, McCoskrie abordou o sargento. Joan Lamb, diretora do 400th, deixou claro que, embora não fosse seu desejo, ele precisava que ela abrisse uma & # 8220 empresa de todos os negros & # 8221 para acalmar as queixas de discriminação entre mulheres negras e líderes dos direitos civis. A banda não sobreviveria, disse ele, a menos que pudesse fazer um show em oito semanas.

Trabalhando com Adams, Lamb começou a entrevistar mulheres negras interessadas. Os testes não foram possíveis, pois apenas algumas das mulheres haviam tocado um instrumento antes. De acordo com Sullivan, os programas de educação musical não começaram nas escolas públicas até a década de 1930, principalmente nas escolas brancas. As escolas pobres e negras, especialmente na zona rural do Sul, nem mesmo tinham acesso aos instrumentos. Uma mulher, Leonora Hull, tinha dois diplomas em música. Outro cantou ópera profissionalmente e vários participaram de corais. Lamb selecionou um número inicial de 19 mulheres & # 8220 com base subjetiva de provável sucesso. & # 8221


& # 8220O que estávamos fazendo era um segredo & # 8216aberto & # 8217, não reconhecido, mas não proibido & # 8221 escreveu Adams. & # 8220Pedimos equipamentos de banda e suprimentos como equipamentos recreativos. & # 8221


O relógio de oito semanas da McCoskrie e # 8217 não começaria até que os instrumentos chegassem. Enquanto esperavam, as mulheres aprenderam a ler música cantando juntas. O sargento Lamb fez de Hull um co-professor e perguntou à banda totalmente branca (que ficou conhecida como WAC Band # 1 com a banda totalmente negra conhecida como WAC Band # 2) se algum membro poderia ajudar a instruir. Dez se ofereceram. Várias manhãs por semana, Lamb e os músicos brancos iam até o quartel negro e davam aulas particulares. Da hora do almoço à noite, os músicos negros ensaiavam suas músicas sempre que podiam.

Em 2 de dezembro de 1943, a banda totalmente afro-americana fez um concerto para McCoskrie e outros oficiais e superou as expectativas. & # 8220Ele ficou indignado! & # 8221 escreveu Rachel Mitchell em uma carta. & # 8220Acho que enfurecemos o Coronel porque ele deu aos oficiais e à banda deveres impossíveis e tempo para completá-los. & # 8221 Enquanto a banda continuava, a tenente Thelma Brown, uma oficial negra, tornou-se sua regente.

À medida que aprimoravam suas habilidades musicais, a banda se apresentava em desfiles e concertos, muitas vezes substituindo a banda totalmente branca quando ela estava em uma campanha de guerra. Eles tocavam como uma banda de swing no clube de serviço negro, onde músicos brancos se esgueiravam para ouvi-los tocar jazz e incorporavam dança e canto às apresentações no palco. Adams cuidou para que a notícia da primeira banda feminina totalmente negra se espalhasse. Bethune visitou, assim como a estrela da ópera Marian Anderson. Adams acompanhou as mulheres em excursões por Iowa e o meio-oeste. Uma ou duas vezes por dia, eles montaram coretos e atraíram públicos inter-raciais.

& # 8220Faziam com que nos sentíssemos celebridades & # 8221 escreveu Clementine Skinner, trompetista e trompista. & # 8220Muitas das garotas buscaram nossos autógrafos como se fôssemos pessoas famosas. & # 8221 Mitchell disse que a & # 8220soul-emocionante & # 8221 experiência de tocar com a banda & # 8220 nos deixou mais determinados a fazer as pessoas nos verem. & # 8221 E mais pessoas fizeram shows para igrejas, hospitais e organizações comunitárias.

Em 15 de julho de 1944, a banda teve sua aparição mais conhecida: o desfile de abertura do 34º N.A.A.C.P. conferência em Chicago. Em South Parkway (agora Martin Luther King Drive), na frente de milhares de curiosos e fãs, os membros da primeira banda feminina exclusivamente negra do exército marcharam, parando para tocar em um coreto nas ruas State e Madison (um ano antes a sétima guerra Bond drive).

Mas eles não tocariam para seu maestro, tenente Thelma Brown, novamente.

Antes da partida da banda para Chicago, McCoskrie disse a Brown que o Departamento de Guerra não iria continuar financiando o pessoal para duas bandas. Ele ordenou que ela contasse às mulheres sobre a desativação da banda. Correndo o risco de insubordinação, Brown disse a McCoskrie que poderia informá-los quando voltassem.

& # 8220Ela recusou, pois essa seria nossa melhor aparição & # 8221 escreveu Mitchell. & # 8220Ela não iria estourar nossa bolha. & # 8221

Em 21 de julho de 1944, recém-saído de seus emocionantes comícios em Chicago, a banda enfrentou McCoskrie, que compartilhou a notícia com eles. Eles deveriam entregar seus instrumentos e sua música imediatamente, e eles seriam despojados de seus méritos de banda.

A reação da comunidade negra foi imediata.

As mulheres escreveram cerca de 100 cartas para suas famílias, comunidades e líderes cívicos. Eles escreveram para a imprensa negra, para Bethune, para Hobby, para White no N.A.A.C.P. e para os próprios Roosevelts. Preocupado que os protestos pudessem levar a uma corte marcial se as mulheres reclamassem no trabalho, Skinner pegou um bonde, e não uma nave militar, para enviar as cartas da cidade em vez do posto de base. As manchetes em todo o país pegaram as notícias. & # 8220Negros em todo o país foram convidados a se unir em protesto ao presidente Roosevelt em um esforço para reorganizar a banda WAC de Negro, recentemente desativada, & # 8221 relatou que Atlanta Daily World.

N.A.A.C.P. registros indicam que White e outros apontaram & # 8220 que desativar a banda seria um sério golpe para o moral dos WACs negros, que já está baixo por causa da falha em designar oficiais negros do WAC para tarefas comparáveis ​​à sua patente e treinamento. & # 8221 Em uma carta ao Secretário da Guerra Henry L. Stimson, White escreveu: & # 8220Apresentamos que a recusa original de permitir que os negros WACs tocassem na banda regular de Fort Des Moines era antidemocrática e imprudente. & # 8221 The NAACP solicitou que os músicos fossem absorvidos pela banda 400 do Exército.

O Exército reverteu sua decisão, pouco mais de um mês depois. Em 1o de setembro de 1944, a Banda # 2 do WAC tornou-se a 404ª banda do WAC das Forças de Serviço do Exército. Os músicos, no entanto, não tinham instrumentos. A deles foi tirada, e algumas acabaram nas mãos dos jogadores do 400º. Levaria várias semanas para que novos instrumentos chegassem e, enquanto isso, as mulheres tinham que servir ao país de alguma forma. Hull e outros tiveram que refazer as aulas de treinamento básico e completar & # 8220 quantidades excessivas de incansáveis ​​KP e deveres de guarda. & # 8221 Embora a única coisa que pudessem fazer juntos fosse cantar, os músicos continuaram a se encontrar. Seus instrumentos chegaram em outubro, e a prática furiosa começou novamente. A essa altura, eles haviam aprendido que Brown não continuaria como maestro.

& # 8220Ela temia que nosso progresso pudesse ser afetado pelos poderes que estão tentando se vingar dela por todos os seus esforços para nos reconciliar & # 8221 explicou Mitchell em uma carta.

No mês de maio seguinte, o 404º viajou novamente para Chicago para a Seventh War Bond Drive. Eles deveriam se apresentar apenas no desfile do dia de abertura, mas a recepção foi tão efusiva que os organizadores contataram Washington e perguntaram se a banda poderia ficar pelo resto da semana. Juntos, o 404º arrecadou dinheiro em todos os bairros negros da cidade & # 8217s e se apresentou em escolas, no Savoy Ballroom, na plataforma das ruas State e Madison e no Soldier Field, dividindo um palco com Humphrey Bogart e Lauren Bacall. Coletivamente, a Seventh War Bond tour arrecadou mais de US $ 26 bilhões em todo o país em seis semanas para o Tesouro dos EUA.

Notícias da rendição japonesa em 1945 prenunciaram o fim da banda, e o 404º foi desativado junto com o programa WAC em dezembro de 1945. Durante os três anos em que o programa WAC existiu durante a Segunda Guerra Mundial, aproximadamente 6.500 mulheres afro-americanas serviram. No final de 1944, 855 militares negras seguiram o Major Adams no exterior no 6888º Batalhão do Diretório Postal Central, a única unidade do Corpo do Exército de Mulheres Negras a servir no exterior. Posicionado em Birmingham, Inglaterra, o batalhão foi encarregado de organizar um depósito de correspondência estocada da América para militares no exterior. Em poucos meses, eles redirecionaram a correspondência para mais de 7 milhões de soldados.

Em 1948, o presidente Harry Truman cancelou a segregação das forças armadas e o general Eisenhower persuadiu o Congresso a aprovar a Lei de Integração de Serviços Armados das Mulheres & # 8217, que restabeleceu o Corpo de Exército das Mulheres & # 8217s como parte permanente do Exército. Os militares também reativaram a 400ª banda ASF como 14ª Banda WAC, o legado das cinco bandas WAC da Segunda Guerra Mundial, uma das quais ajudou a liderar o caminho na dessegregação racial.

Sobre Carrie Hagen

Carrie Hagen é uma escritora que mora na Filadélfia. Ela é a autora de Nós o pegamos: o sequestro que mudou a América, e atualmente está escrevendo um livro sobre o Comitê de Vigilância.


Selos

ÁLBUM
Após a invasão japonesa, os serviços postais reabriram em 4 de março de 1942 em Manila, estendendo-se por outras regiões nos meses seguintes. As primeiras edições foram principalmente sobreimpressas e sobretaxadas de selos da Commonwealth. As questões incluíram uma comemoração da captura de Bataan e Corregidor pelo Japão, o primeiro aniversário da “Grande Guerra do Leste Asiático” e o aniversário da Comissão Executiva das Filipinas. A partir de abril de 1943, foram emitidos 14 selos definitivos com 4 desenhos diferentes, seguidos em breve de um selo comemorativo em memória do 1º aniversário da queda de Bataan e Corregdor.

Na inauguração da “República do Japão”, as autoridades lançaram um novo conjunto de 3 selos, com o desenho de uma mulher filipina em frente ao Monumento Rizal e a bandeira filipina. Esses selos também foram emitidos como uma folha de lembrança (o primeiro para as Filipinas) e estão amplamente disponíveis como capas do primeiro dia. Poucos meses depois, outro conjunto de três selos, com os heróis filipinos, foi lançado e também incluía uma folha de lembrança.

Perto do fim da ocupação, um conjunto final de selos foi emitido em 12 de janeiro de 1945 retratando o presidente Laurel. Além dos selos postais regulares, também foram emitidos selos semipartes, com postagem vencida e oficiais, principalmente como impressões sobrepostas e sobretaxas. O serviço postal terminou oficialmente em Manila em 3 de fevereiro de 1945, quando as Forças Militares americanas entraram em Manila.


O QUE OS TRABALHADORES GANHAM

MUITAS pessoas acreditam que o trabalhador médio em uma fábrica de munições está ganhando muito dinheiro e possivelmente trabalhando pouco por isso. Mass-Observation (a organização de pesquisa social pela qual sou responsável) fez recentemente um amplo estudo da indústria de guerra em sete áreas. * As informações sobre salários foram coletadas durante esta pesquisa de empresas que empregam de 20.000 a zo trabalhadores, e de uma amostra dos trabalhadores pessoalmente. De todos os trabalhadores da guerra abrangidos pelo estudo de amostra, 88 por cento. estavam recebendo menos de £ 6 por semana, dois terços menos de £ 4. Uma fábrica que emprega 2.000 funcionários principalmente na fabricação de conchas oferece uma imagem bastante representativa. Os vinte que obtêm mais de £ 9 variam até £ 12 de SO. 5d. bruto por semana, para um homem que faz 95 horas semanais, todos são trabalhadores qualificados por peça, e a maioria deles trabalha no turno da noite (pago um quinto a mais), trabalhando cerca de 20 horas extras ou mais.

Em uma grande fábrica dedicada a certas matérias-primas básicas, quem ganha mais ganha £ 8 6s. 5d. uma semana bruta apenas por cento. estão recebendo mais de £ 6 5s. Sem exceção, esses trabalhadores estão fazendo extensas horas extras, incluindo todo o fim de semana. Uma importante fábrica dedicada a componentes de aeronaves tem salários médios entre sua força de trabalho de £ 4 13s. 6d. os dez IOS de £ 2 com salários mais baixos. 2d., Os treze maiores £ 8 8s. 3d. Os exemplos podem ser multiplicados. Mais um, de uma fábrica de chaves engajada em uma "arma secreta". Abaixo de t por cento. dos funcionários (quase todos qualificados) estão recebendo mais de £ 6 5s. por semana, todos os homens, trabalhos altamente qualificados, são feitos por mulheres, e eles fazem horas extras regulares, além de fins de semana. Nenhuma mulher ganha mais do que £ 3 145. anúncio. O grupo de trabalhadores mais bem pago encontrado foram os trabalhadores de chapas metálicas na montagem da fuselagem em duas fábricas de aeronaves, onde os homens ganhavam entre £ 2 e £ 25. Em outra fábrica de aeronaves, a taxa média para um homem qualificado trabalhando por 60 horas por semana era de £ 12, em uma "boa" semana, mas havia atrasos frequentes. Nada faz mais para perturbar a produção de guerra do que esses atrasos, é claro, não apenas por causa do efeito sobre a produção, mas também por causa do efeito direto sobre trabalhadores qualificados com padrões de vida relativamente elevados. Isso se reflete bem no diário de uma mulher casada com um operário de aviação, que normalmente ganha £ 8- £ por semana. Ela escreve: “Todo mundo sabe agora que algo está errado com a produção e que todos os apelos dos trabalhadores não resolverão as questões. Meu marido ganhou £ 2 doenças. Semana passada, e na produção também. conto."

Algumas semanas depois, ela escreve:

“Houve uma discussão na oficina hoje porque o trabalho está sendo reservado para as mulheres, e os jovens, que têm que pagar 3os. Por semana para hospedagem, não têm chance de ganhar bônus. As mulheres têm que aprender, mas os rapazes também terão que viver e entrarão no exército com um gosto muito amargo na boca, se já forem desviados. Uma observação sobre grandes salários: meu marido na semana passada não ganhou horas extras ou bônus, e sua taxa fixa não era grande o suficiente para pagar as contas da casa, quanto mais suas despesas. Tivemos que sacar La do banco. Geralmente se esquece que os homens trabalham longas horas, em condições difíceis, para receber bônus e horas extras. "

O sistema estabelecido em muitas seções, da taxa básica com acréscimos cumulativos para cada hora de horas extras, mais bônus complexos, aumenta automaticamente o nível de rendimento bruto do tempo de guerra.

* O relatório completo, People in Production, está sendo publicado pela tile Advertising Service Guild de No. so Hertford Street, W. r, em "c início de abril. No caso dos trabalhadores de aeronaves, e de muitos outros ganhos pendentes , muitas vezes é o resultado de uma avaliação grosseira de peças e de um planejamento descuidado. Em muitos casos, altos rendimentos são derivados de horas de trabalho, que toda a experiência e estudo (veja as publicações do Industrial Health Research Board) se mostram excessivos e ineficientes em termos de produção e produção reais, muitas empresas ainda estão trabalhando essas horas. Muito se ouviu falar de altos rendimentos juvenis. A investigação mostra que uma pequena minoria de jovens ganha mais de £ 2 55s. Esses geralmente são meninos do ramo de construção, o que é de fato uma fonte geral de descontentamento, porque altas taxas são pagas à mão de obra importada em novas fábricas e aeródromos, o que automaticamente perturba e irrita a economia local e o padrão cultural.

Tomando todas as evidências disponíveis, parece claro que apenas uma pequena parte está ganhando dinheiro excessivo na indústria de guerra, e isso inclui alguns que são, é claro, trabalhadores extremamente qualificados, homens com habilidades possivelmente tão altas quanto muitos diretores que recebem £ 20 uma semana como uma coisa natural. Não estou agindo como defensor do atual sistema de diferenciação de salários, embora deva salientar que ele faz parte do sistema atual da indústria tanto quanto a geração de lucros, a participação acionária ou as empresas separadas. Você não pode obliterar uma parte do padrão sem obliterar tudo isso. Se uma modificação é desejável, todas são desejáveis. Estou descrevendo a situação factual e, conseqüentemente, sugerindo que a situação média foi distorcida pela ênfase da publicidade, com resultados desfavoráveis ​​ao esforço de guerra. O excepcional é novidade, o normal não. O governo não assumiu a responsabilidade de fornecer uma imagem precisa do que está acontecendo neste e em outros aspectos da economia de guerra, para servir de parâmetro e corretivo de fundo para equívocos. There is no general picture of war-economics in the public mind, and it needs to be there if people are to react fully and favourably to new demands, pressures, restrictions and taxations. At present, war- economics appear to ordinary people in disjointed, negative con- flict and chaos. The new income-tax, for instance, was launched on millions of workers who had never paid it before with an almost pathetic absence of advance explanation and advocacy. Now, the Treasury are belatedly coping with a situation, largely predictable and avoidable, which, through being ignored, has harmed war-production and home morale. The published emphasis on individual cases of high earning has had an un- fortunate effect. It has made people outside war industry believe that there is extensive wage-profiteering going on inside it, while those in one firm engaged on war-production are led to think that there are higher wages going for everyone somewhere else.

Are industrial workers better off since the war? Recent studies by the Institute of Statistics at Oxford indicate that wage-earners in 1940 paid 7-9 per cent. for the war, while non-wage earners paid 12-15 per cent. As that Institute comments: " If the enormous difference in average income of the two classes compared is taken into consideration, the financial war-burden on workers appears to be relatively high." Our own limited studies in this field suggest that, on the whole, workers are now worse off. Most increases in earnings are offset by increases in necessary expenditure, savings, new taxation, special new industrial expenditure. The stories of workers spending lavishly, for instance, in Coventry, have been grossly exaggerated, as anyone who spends a week in Coventry can see—there are few places where it is more difficult to spend your money, even if you want to. The continuous decline in available spending-outlets, coupled with the failure of savings-propaganda to advance beyond the 1941 stage, is producing an effect which is likely to be more marked in 1942. The economic incentive in industry is declining. As there is less to spend money on, the urge for high earnings (directly related to overtime and week-end work) is weakened. The structure of British industry has been built up at every level around the structure of effort for profit. The only alternative incentive appears to be the straight feeling of national urgency, and unity, still strikingly absent in relation to the nation's supreme need. This can be obtained at the price of a new spirit of re- sponsibility from those inside industry and from those outside commenting on it.


George Washington Carver - March 1942

Beautiful colourization! I had no idea he was still alive during WW2.

Same! It’s crazy to think about how it was only 80 years from the Civil War to WWII. It feels like different universes.

I think this may be the first time I’ve ever seen a picture of him.

George Washington Carver
(1860s – January 5, 1943)

American botanist and inventor. He actively promoted alternative crops to cotton and methods to prevent soil depletion. While a professor at Tuskegee Insitutute, Carver developed techniques to improve soils depleted by repeated plantings of cotton. He wanted poor farmers to grow alternative crops, such as peanuts and sweet potatoes, as a source of their own food and to improve their quality of life. The most popular of his 44 practical bulletins for farmers contained 105 food recipes using peanuts. Although he spent years developing and promoting numerous products made from peanuts, none became commercially successful. Apart from his work to improve the lives of farmers, Carver was also a leader in promoting environmentalism. He received numerous honors for his work, including the Spingarn Medal of the NAACP. In an era of very high racial polarization, his fame reached beyond the black community. He was widely recognized and praised in the white community for his many achievements and talents. In 1941, Time magazine dubbed Carver a "Black Leonardo". - info via wikipedia


Page 9. The 1942 Wairarapa earthquakes

During the Second World War, in 1942, two powerful earthquakes on 24 June and 2 August caused substantial damage to many towns in the Wairarapa, and in Wellington. The epicentres of the earthquakes were both near Masterton, but because the August main shock was much deeper than the June earthquake, it was less severe. They were caused by movement along buried faults, so the fault ruptures did not reach the surface.

The first earthquake

On 24 June there was a minor earthquake at 8.14 p.m., followed at 11.16 p.m. by a magnitude 7.2 earthquake that was felt from Auckland to Dunedin. This main shock lasted about a minute, and aftershocks continued through the night: over 200 were felt before 7 a.m.

The earthquake was centred near Masterton, and the heaviest damage was in the town’s business area. Many shops had brick facades with ornate parapets and gable ends. These crashed into the street, taking with them the wooden verandahs that sheltered the footpaths and the electricity and telephone lines. Heavy roofs and water tanks collapsed. In many Wairarapa towns, including Eketāhuna, Martinborough, Gladstone, Carterton and Greytown, churches and commercial premises, especially brick buildings, were damaged. Most houses in the Wairarapa were timber framed – they survived the shaking well, but almost all lost their brick chimneys. Close to the epicentre, however, some houses shifted off their foundations.

Rocking the baby

‘I was just going to bed when we got this terrific shake. We could hear bricks coming down through the roof into the room where our baby was sleeping. I crawled along the passage – you couldn’t walk, the whole place was rocking so badly. It was terrifying. I could hear the baby screaming but I couldn’t get to the cot because of the rubble in the room. The cot shot from one side of the room to the other with the violence of the quakes. I finally found the cot, got the baby out and we sat underneath.’ 1

Effects in Wellington

In Wellington, 80 kilometres from the earthquake epicentre, buildings swayed and people rushed into the streets. Walls in many older buildings cracked, windows shattered, and in the central city, bricks, concrete and masonry came crashing down onto footpaths. In the countryside, the earthquake caused many landslides, and damaged roads, railway lines and bridges.

Only one person died – a man in Wellington was killed by coal gas escaping from a fractured pipe. Had the earthquake struck during shopping hours, many might have died but it hit late on Saturday evening, when movie theatres had closed and few people were about.

The army was called in to assist with demolition and clean-up, and to guard buildings. Bricklayers from all over New Zealand came to help rebuild and repair the thousands of wrecked chimneys.

The second earthquake

About five weeks later, while the damage was still being repaired, earthquakes struck again. A magnitude 5.6 tremor was felt in the late afternoon of 1 August. It was followed by a magnitude 6.8 earthquake at 12.34 a.m. the next day, felt through much of New Zealand.

Damage

Structural damage in Wellington and the Wairarapa was extensive, due to the cumulative effects of the two earthquakes. Eketāhuna suffered more damage than in June. Two blocks of Manners Street in Wellington were closed for several months because of the dangerous state of the buildings. One Wellington building had lost 316 windows in June: 100 shattered in the August earthquake. In Wellington at least 5,000 houses and 10,000 chimneys were damaged by the two major earthquakes. Several years later, many buildings were still unrepaired. This prompted the government to set up an Earthquake and War Damage Commission for earthquake insurance in 1944.


U-Boats off the Outer Banks

At a little after two o’clock in the morning on Monday, January 19, 1942, an earthquake­like rumble tossed fifteen-year-old Gibb Gray from his bed. Furniture shook, glass and knickknacks rattled, and books fell from shelves as a thundering roar vibrated through the walls of the houses in Gibb’s Outer Banks village of Avon. Surprised and concerned, Gibb’s father rushed to the windows on the house’s east side and looked toward the ocean. “There’s a fire out there!” he shouted to his family. Clearly visible on the horizon, a great orange fireball had erupted. A towering column of black smoke blotted out the stars and further darkened the night sky.

Only seven miles away, a German U-boat had just torpedoed the 337-foot-long U.S. freighter, City of Atlanta, sinking the ship and killing all but three of the 47 men aboard. The same U-boat attacked two more ships just hours later. Less than six weeks after the Japanese bombing of Pearl Harbor, the hostilities of the Second World War had arrived on America’s East Coast and North Carolina’s beaches. This was not the first time that German U-boats had come to United States waters. During World War I, three U-boats sank ten ships off the Tar Heel coast in what primarily was considered a demonstration of German naval power. But by 1942, U-boats had become bigger, faster, and more deadly. Their presence in American waters was not intended for “show” but to help win World War II for Germany.

The abbreviated name “U-boat” comes from the German word unterseeboot, meaning submarine or undersea boat. However, U-boats were not true submarines. They were warships that spent most of their time on the surface. They could submerge only for limited periods—mostly to attack or evade

detection by enemy ships, and to avoid bad weather. U-boats could only travel about sixty miles underwater before having to surface for fresh air. They often attacked ships while on the surface using deck-mounted guns. Typically, about 50 men operated a U-boat. The boats carried fifteen torpedoes, or self­propelled “bombs,” which ranged up to twenty-two feet long and could travel thirty miles per hour. Experts have described German U-boats as among the most effective and seaworthy warships ever designed.

Within hours of the U-boat attack near Avon, debris and oil began washing up on the beaches. This scene seemed to be repeated constantly. For the next six months, along the East Coast and the Gulf of Mexico, at least sixty-five different German U-boats attacked American and British merchant ships carrying vital supplies to the Allies in Europe— cargos of oil, gasoline, raw vegetables and citrus products, lumber and steel, aluminum for aircraft construction, rubber for tires, and cotton for clothing. By July of 1942, 397 ships had been sunk or damaged. More than 5,000 people had been killed.

The greatest concentration of U-boat attacks happened off North Carolina’s Outer Banks, where dozens of ships passed daily. So many ships were attacked that, in time, the waters near Cape Hatteras earned a nickname: “Torpedo Junction.” U.S. military and government authorities didn’t want people to worry, so news reports of enemy U-boats near the coast were classified, or held back from the public for national security reasons. For many years, most people had no idea how bad things really were. But families living on the Outer Banks knew—they were practically in the war.

“We’d hear these explosions most any time of the day or night and it would shake the houses and sometimes crack the walls,” remembered Blanche Jolliff, of Ocracoke village. Even though ships were being torpedoed by enemy U-boats almost every day, just a few miles away, coastal residents had no choice but to live as normally as possible. “We sort of got used to hearing it,” Gibb Gray said. “The explosions were mostly in the distance, so we weren’t too scared. I remember we were walking to school one day, and the whole ground shook. We looked toward the ocean, just beyond the Cape Hatteras lighthouse, and there was another huge cloud of smoke. That was the oil tanker, Dixie Arrow.”

Some Outer Bankers came closer to the war than they would have preferred. Teenager Charles Stowe, of Hatteras, and his father were headed out to sea aboard their fishing boat one day when they nearly rammed a U-boat, which was rising to the surface directly in front of them. The elder Stowe’s eyesight was not very good. He told his son, who was steering their boat, to keep on going—he thought the vessel ahead was just another fishing boat. “I said, ‘Dad, that is a German submarine!’ And it sure was,” Stowe recalled. “He finally listened to me, and we turned around and got out of there just in time.”

The war cut back on one favorite summer pastime for Outer Banks young people. “That summer we had to almost give up swimming in the ocean—it was just full of oil, you’d get it all over you,” Mrs. Ormond Fuller recalled of the oil spilled by torpedoed tankers. Gibb Gray remembered the oil, too: “We’d step in it before we knew it, and we’d be five or six inches deep. We’d have to scrub our feet and legs with rags soaked in kerosene. It’s hard to get off, that oil.” It is estimated that 150 million gallons of oil spilled into the sea and on the beaches along the Outer Banks during 1942.

Some local residents thought Germans might try to sneak ashore. Others suspected strangers of being spies for the enemy. “We were frightened to death. We locked our doors at night for the first time ever,” said Ocracoke’s Blanche Styron. Calvin O’Neal remembered strangers with unusual accents who stayed at an Ocracoke hotel during the war: “The rumor was they were spies, and the hotel owner’s daughter and I decided to be counterspies, and we tried our best to follow them around, but we never caught them doing anything suspicious.”

At Buxton, Maude White was the village postmistress and a secret coast watcher for the U.S. Navy. She was responsible for observing unusual activities and reporting them to the local Coast Guard. In 1942 one couple with German accents attracted attention by drawing maps and taking notes about the island. White became suspicious, and so did her daughter, who would follow the pair from a distance—riding her beach pony. After being reported by White, the strangers were apprehended when they crossed Oregon Inlet on the ferry. Records fail to indicate whether or not the strangers really were spies, but White’s daughter became the inspiration for the heroine in author Nell Wise Wechter’s book Taffy of Torpedo Junction.

Slowly but surely, increased patrols by the U.S. Navy and the U.S. Coast Guard, and planes of the Army Air Corps, began to prevent the U-boat attacks. Blimps from a station at Elizabeth City searched for U-boats from high above, while private yachts and sailboats with two-way radios were sent out into the ocean to patrol and harass German warships. The military set up top-secret submarine listening and tracking facilities at places like Ocracoke to detect passing U-boats.

Many people who lived along the coast during World War II remember having to turn off their house lights at night and having to put black tape over their car headlights, so that lights on shore would not help the Germans find their way in the darkness. Even so, the government did not order a general blackout until August 1942. By then, most of the attacks had ended.

On April 14, 1942, the first German U-boat fought by the American navy in U.S. waters was sunk sixteen miles southeast of Nags Head. Within the next couple of months, three more U-boats were sunk along the North Carolina coast: one by a U.S. Army Air Corps bomber, one by a U.S. Coast Guard patrol ship, and one by a U.S. Navy destroyer. North Carolina’s total of four sunken U-boats represents the most of any state. By that July, the commander of Germany’s U-boats became discouraged. He redirected his remaining warships to the northern Atlantic Ocean and Mediterranean Sea. Nevertheless, Germany considered its attacks against the United States a success, even if they failed to win the war. Gerhard Weinberg, a professor of history at the University of North Carolina at Chapel Hill, has since called the war zone off the U.S. coast in 1942 “the greatest single defeat ever suffered by American naval power.”

As the years have passed, most of the physical evidence of World War II U-boat encounters off North Carolina’s coast has vanished. Submerged off the state’s beaches are the remains of at least 60 ships and countless unexploded torpedoes, depth charges, and contact mines. Even today, small patches of blackened sand offer reminders of the massive oil spills of 1942. On Ocracoke Island and at Cape Hatteras, cemeteries contain the graves of six British sailors who perished in North Carolina’s waters. Many people living in the state don’t know about the time when war came so close. But older Tar Heels who lived on the coast back then remember. In fact, they would love to tell you about it.

*At the time of the publication of this article, Kevin P. Duffus was an author and documentary filmmaker specializing in North Carolina maritime history. He lectured for the North Carolina Humanities Council on topics that included World War II along the state’s coast.


The Cockleshell Heroes of 1942

The Cockleshell Heroes raided Nazi-occupied Bordeaux in December 1942 in ‘Operation Frankton’. The Cockleshell Heroes target was the harbour complex in the city. The port was very important to the Germans as many merchant ships used it to supply the German Army stationed not only in France but also elsewhere throughout occupied Europe. They succeeded in sinking one ship and severely damaging four others and doing enough damage in the port to greatly disrupt the use of the harbour for months to come. Such was the significance of the raid that Winston Churchill said that it helped to shorten World War Two by six months.

Another important reason for ‘Operation Frankton’ to succeed was that German U-boats used the port as a base and any disruption to their Atlantic patrols would have been highly important.

Any German merchant ships that came through the English Channel could be dealt with by either the Royal Navy or by Coastal Command. But plenty of merchant ships were willing to risk sailing to Bordeaux harbour via the Mediterranean Sea and there was little the Royal Navy could do about it. A raid by bombers would have led to many civilian casualties – so this was excluded.

The task of the Cockleshell Heroes was simple – destroy as many ships in the harbour as was possible so that the harbour itself would be blocked with wreckage, thus rendering it incapable of fully operating as a harbour.

The Cockleshell Heroes were from the Royal Marine Boom Patrol Detachment. These men got their nickname from the canoes they were to use which were themselves nicknamed ‘cockles’. After months of training, they set-off for their target on board the submarine ‘HMS Tuna’. Out of the twelve Marines, only Major Hasler, the group commander, and Lieutenant Mackinnon knew where they were going as they had helped formulate the plan. The other ten Marines were only told their target once ‘Tuna’ surfaced off the French coast.

The plan was for the six teams of two men to paddle five miles to the mouth of the River Gironde, paddle seventy miles up it, plant limpet mines on the ships in the harbour and then make their way to Spain.

The raid started badly once the men were due to be dropped off by ‘HMS Tuna’. One of the canoes was holed as it was being made ready on the Tuna. The two Royal Marines who were meant to have used this canoe – called ‘Cachalot’ – could not take part in the raid. It is said that Marines Fisher and Ellery were left in tears at their disappointment.

The commander, Major ‘Blondie’ Hasler partnered Marine Bill Sparks in ‘Catfish’.

As the canoes approached the mouth of the River Gironde they hit a violent rip tide. The waves were five feet high and the canoe ‘Conger’ was lost. The two crew of ‘Conger’ – Corporal George Sheard and Marine David Moffat – were towed by the other canoes. Once near the shoreline, both men had to swim to the shore as they were slowing down the remaining canoes. Neither man made it to the shore. It was assumed that they had both drowned.

The crew of the canoe ‘Coalfish’ – Sergeant Samuel Wallace and Marine Jock Ewart – were caught by the Germans, interrogated and shot after being held captive for two days. Despite being in uniform, their captors carried out Hitler’s infamous ‘Commando Order’ – that anyone captured on commando raids was to be shot.

The crew of the ‘Cuttlefish’ – Lieutenant John Mackinnon and Marine James Conway – had to abandon their canoe after it was damaged. They were also caught by the Germans who handed the pair over to the Gestapo. It is though that both men were held and interrogated for about three months before being shot.

With four canoes down, the raiders were only left with two canoes. Along with ‘Catfish’, ‘Crayfish’ was left crewed by Marine William Mills and Corporal Albert Laver.

By now, the Germans knew that something was up and they greatly increased the number of patrols along the Gironde. The two crews paddled at night and hid during the day.

The two canoes got to the harbour in Bordeaux. Here they were spotted by a sentry who failed to raise the alarm – possibly he mistook what he saw for driftwood as both crews remained motionless in their canoes as they had been trained to do.

The crew of both remaining canoes placed limpet mines on the merchant ships they found in the harbour. This whole process took about two to three hours. Each mine had a nine-hour fuse on it that was activated before the mine was placed giving the four Marines time to get away. Both ‘Crayfish’ and ‘Catfish’ escaped on the tide.

The damage to Bordeaux harbour was severe. Now the crews had to leave their canoes, move on foot and link up with the French Resistance at the town of Ruffec. The Germans automatically assumed that the men would travel south to Spain. In fact, they travelled 100 miles north of Bordeaux – a journey that took six days. They then backtracked and travelled to Gibraltar via Spain.

Laver and Mills, who were moving separately from Sparks and Hasler, were caught by the Germans and shot. With the help of the French Resistance, Hasler and Sparks reached Spain and then Gibraltar – a journey that took a total of fifteen weeks.

Even here, Sparks met problems. Hasler was transported back to Britain with due speed on the orders of Lord Louis Mountbatten. However, Sparks did not have such luck and was arrested because he could not prove his identity. Sparks was transported back to London where he was put under guard by the military police. However, Sparks slipped these guards at Euston Station. He visited his father to assure him that he was not dead and then made his way to the Combined Operations Headquarters.

The Cockleshell Heroes were:

Marines Fisher and Ellery on ‘Cachalot’. Both had to abandon because of damage to their canoe.

Corporal Sheer and Marine Moffat on ‘Conger’. Both men were drowned.

Sergeant Wallace and Marine Ewart on ‘Coalfish’. Both were men captured and shot.

Lieutenant Mackinnon and Marine Conway on ‘Cuttlefish’. Both men were captured and shot.

Corporal Laver and Marine Mills on ‘Crayfish’. Both men were captured and shot.

Major Hasler and Marine Sparks on ‘Catfish’. Both men made it back to the UK.

November 30 th 1942: The twelve Commandos embarked on ‘HMS Tuna’

December 7 th 1942: At 19.30 the canoes were made ready for their journey. ‘Cachalot’ was torn during the disembarking and could not be used. The other five ‘cockles’ started their mission about ten miles from the Pointe de Grave at the head of the Gironde estuary.

December 7 th /8 th 1942: ‘Coalfish’ and ‘Conger’ were lost. The daytime of the 8 th was spent in hiding at the Pointe aux Oiseaux.

December 8 th /9 th 1942: Twenty five miles was covered during the night and during the day of the 9 th , the remaining canoes hid at St. Estephe.

December 9 th /10 th 1942: The crews of ‘Cuttlefish’ and ‘Catfish’ landed on the Ile de Cazeau. This was at the head of the River Garonne – the river that would take them to the port at Bordeaux.

December 10 th /11 th 1942: ‘Cuttlefish’ was wrecked and could not continue. Mackinnon and Conway made their way inland but were captured. ‘Catfish’ and ‘Crayfish’ paddled to striking distance of the docks and hid for the day.

December 11 th /12 th 1942: Both ‘Catfish’ and ‘Crayfish’ paddled into the docks and placed their mines. The first mine went off at 07.00 on December 12 th . Both canoes had retraced their way up the Garonne and paddled to Blaye. Here both teams destroyed their canoes before they separated and went their separate ways.


The history and conquest of the Philippines and our other island possessions embracing our war with the Filipinos in 1899

Addeddate 2006-09-11 21:01:18 Call number ucb:GLAD-84183678 Camera 1Ds Collection-library ucb Copyright-evidence Evidence reported by marcus lucero for item conquestphilippine00marcrich on Sep 7, 2006 visible notice of copyright and date stated date is 1899 not published by the US government Have not checked for notice of renewal in the Copyright renewal records. Copyright-evidence-date 2006-09-07 23:04:54 Copyright-evidence-operator marcus lucero Copyright-region US External-identifier urn:oclc:record:1042544363 Foldoutcount 0 Identifier conquestphilippine00marcrich Identifier-ark ark:/13960/t6f18sx3x Identifier-bib GLAD-84183678 Lcamid 333388 Openlibrary_edition OL7126335M Openlibrary_work OL126186W Pages 508 Possible copyright status NOT_IN_COPYRIGHT Ppi 500 Rcamid 333345 Scandate 20060911160246 Scanner rich6 Scanningcenter rich

Assista o vídeo: La Segunda Guerra Mundial en 17 minutos